Cine Roxy continua sem definição

Ficar sem cinema em Cubatão é uma perda grande, em uma cidade sem opções de lazer e cultura. Foto: PMC

Como esperado, foi muito grande e negativa a repercussão de que a cidade de Cubatão pode perder as suas duas e únicas salas de cinema, do Roxy, no Parque Anilinas. A denúncia foi publicada na edição passada do jornal “Povo de Cubatão” e compartilhada nas redes sociais. Mas a Prefeitura não quis esclarecer aos munícipes por meio deste jornal, optando apenas pelo jornal “A Tribuna”, na última quarta-feira (24), que transcrevemos a seguir:

“Questionada, a Secretaria de Comunicação Social da Prefeitura (Secom) assinalou que ‘o complexo de cinema instalado no Centro Multimídia do Parque Anilinas será mantido’. Mas confirmou que o contrato com os proprietários do Cine Roxy venceu em julho de 2017, ‘quando a questão era afeta à Secretaria Municipal de Cultura, na gestão do ex-titular Raul Christiano'”.

A Secom também informou erroneamente que a gestão do Parque Anilinas passou para a Secretaria de Turismo apenas após a demissão de Raul da Secult. Ouvido pela reportagem do “Povo”, Raul Christiano disse que o processo estava de posse da Secretaria de Turismo desde o início do governo de Ademário Oliveira.

Raul fez questão de frisar que o secretário de Turismo, que iniciou no cargo, Mauro Haddad, e depois o seu sucessor e atual ocupante da pasta, Antonio Ribeiro, alegavam que “era de competência deles, uma vez que o Parque Anilinas estava sob a responsabilidade daquela secretaria. Com isso, até o início de julho, não pude conhecer o conteúdo do contrato”.

“Os dois secretários de Turismo – esclarece o ex-secretário de Educação e de Cultura – sempre justificaram que vinham conversando e recebendo orientação do próprio prefeito, inclusive realizando reuniões com o proprietário do Cine Roxy, sem a presença da Secult”. O prefeito Ademário – continua Raul Christiano, “questionado por mim em reuniões do secretariado respondia que estava tratando com os secretários de Turismo, porque considerava injusto que o Roxy pagasse apenas 11,5% das suas receitas com a venda de ingressos e da loja de doces, refrigerantes e pipoca, mas não pagava o condomínio, água e luz da fração usada do Parque Anilinas”.

Antônio Campos – O jornal “Povo de Cubatão” apurou que o empresário Antônio Campos sempre se dispôs a pagar, desde 2012, mas a Prefeitura de Cubatão jamais realizou os cálculos de quanto importava essas taxas da sua ocupação do Parque municipal. Procurado pela reportagem, o empresário que é o dono do Grupo Roxy de Cinemas, com salas em diversas cidades da região, não respondeu às mensagens enviadas.

Sem contrato desde julho e com a recomendação da Procuradoria Geral do Município de iniciar uma nova licitação para que o Roxy ou outra empresa do ramo possam explorar as atividades no Centro Multimídia com cinema, surgem dois problemas com perdas para a comunidade: o Roxy não pode repassar a parte da arrecadação para a Prefeitura e, sem qualquer ato formal, é possível que com uma representação de qualquer pessoa no Ministério Público, o cinema de Cubatão deve ser fechado a qualquer momento.

Solução provisória – O ex-secretário Raul Christiano, com base em parecer da sua assessoria técnica na época em que estava no cargo, sugere a elaboração de uma portaria de uso precário e oneroso, que poderia garantir o funcionamento: “Apresentei esse caminho para uma solução provisória no próprio processo administrativo, mas faltou a decisão do prefeito Ademário, que é quem tem a última palavra na Prefeitura”, concluiu.

Escola gratuita de atores em Cubatão não consegue patrocínios para 2018

Teatro do Kaos faz das tripas coração para se manter vivo e em movimento.

Uma notícia muito negativa para a Cultura vem circulando nas redes sociais desde o fim do mês de novembro passado: o Teatro do Kaos, que mantém uma escola gratuita de teatro em Cubatão, graças aos projetos que o seu idealizador Lourimar Vieira e equipe sempre aprovaram no Ministério da Cultura, via Lei Rouanet, não conseguiu um centavo de apoio das empresas da região, que poderiam abater 100% no imposto de renda se patrocinassem os cursos destinados à formação de atores e atrizes da cidade.

Lourimar disse que mais uma vez o projeto foi aprovado, “como nos últimos 7 anos, mas desta vez não arrumamos o patrocínio de uma única empresa, mesmo parcial”. Do poder público – Secretaria Municipal da Cultura da Prefeitura de Cubatão – com a crise financeira da Cidade, também nenhum sinal positivo foi manifestado.

Nessa mesma época, no ano passado, graças ao patrocínio da Copebrás, o Teatro do Kaos estava com inscrições abertas para 140 vagas, divididas entre os níveis iniciante (100), para adolescentes entre 12 e 17 anos, intermediário (20), para idosos a partir dos 60, e avançado (20), para jovens entre 16 e 29 anos. As aulas aconteceram de uma a quatro vezes por semana, de acordo com o módulo cursado.

Oportunidade – “O objetivo do nosso projeto é que ele continue a trazer benefícios para a sociedade por meio da arte. Queremos oferecer aos jovens a oportunidade do contato com atividades lúdicas e culturais, além de despertar o gosto pela arte cênica”, ressalta o gestor do projeto, ator e diretor Lourimar Vieira.

As aulas sempre foram ministradas no Teatro do Kaos, localizado na Praça Coronel Joaquim Montenegro, 34, no Largo do Sapo, em Cubatão. Informações sobre a possibilidade de apoiar essa iniciativa e manter viva a escola teatral cubatense, podem ser obtidas pelos telefones (13) 99124 7470 e 3372 7211.

Resultados alcançados – Nos últimos sete anos de trabalho, 1.823 pessoas foram atendidas, destas qualificando profissionalmente 150 atores e possibilitando que 1.673 alunos participassem da Oficina de Teatro em contra turno escolar no município.

84 peças foram encenadas pelos alunos dos projetos, muitas das quais circularam por 30 cidades nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Piauí, Espírito Santo, Ceará e Rio Grande do Sul.

A escola Teatro do Kaos comemora também os fatos de que a peça “A Falecida”, encenada por alunos do projeto, foi eleita o “Melhor Espetáculo do Litoral e Interior do Estado de São Paulo”, pela Cooperativa Paulista de Teatro; e o ingresso de 3 anos formados pelos projetos cubatenses na Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo – EAD/USP.

O município de Cubatão ainda não conseguiu concluir uma obra de teatro para atender à sua comunidade (o Municipal, depois de 30 anos inacabado, vai virar unidade de saúde da Prefeitura; e o Anilinas, patina na burocracia da Prefeitura, com as obras e instalações paralisadas desde 2014). O espaço ocupado pelo Teatro do Kaos revela por si só a resistência dos artistas locais, que o mantém em atividade a duras penas, contando às vezes com o apoio do poder público municipal, e mais vezes dos governos do Estado (PROACs) e Federal (Lei Rouanet), além das indústrias e do comércio local.

Despontam, desde o início do ano passado, as atividades do Galpão de Experimentos de Artes, por iniciativa de um dos 13 coletivos independentes – integrantes do Coletivo 302 – no interior do Parque Anilinas, em espaço anteriormente ocupado por materiais inservíveis e ferramentas da Prefeitura. Sander Newton, não esconde as origens: “Somos frutos do Teatro do Kaos e após a formação no curso passamos a nos reunir em espaços alternativos para ensaiarmos. Conforme fomos amadurecendo a ideia do grupo, percebemos que precisávamos um espaço para os ensaios e apresentações, e passamos a olhar a nossa cidade com outros olhos. Não imaginávamos, no entanto, que o espaço ideal estaria tão perto de nós, aqui no Anilinas”.

Nesse caso, a Secretaria da Cultura autorizou que os próprios artistas revitalizassem o barracão, com o apoio de seus familiares e do comércio cubatense, para que pudessem executar as suas contrapartidas com a Lei de Incentivo Estadual do PROAC, conquistado no final de 2016 e viabilizado em 2017. Espaços em escolas municipais também são cedidos para ensaios e preparação de peças por outros coletivos do Município.