Teatro Municipal de Cubatão entrará em cena?

O ator e diretor teatral Lourimar Vieira acredita que essa nova lei é uma porta importante para o Teatro Municipal.

O ator e diretor teatral Lourimar Vieira acredita que essa nova lei é uma porta importante para o Teatro Municipal.

Após 29 anos, Cubatão vive mais uma vez um capítulo da novela sem fim do Teatro Municipal “Edistio Dias Rebouças Filho”. Considerado por muitos, o maior “elefante branco” da cidade (ao lado do edifício Castro) a estrutura que começou a ser construída em 1987, tem mais uma vez a chance de finalmente ser palco de grandes atrações artísticas e culturais de Cubatão.

É que na tarde da última terça-feira (26), os vereadores da Câmara Municipal validaram a Lei 3.793, de 17 de junho de 2016, com duas emendas que haviam sido vetadas pela prefeita Marcia Rosa (PT), propostas pelos vereadores Severino Tarcício, o Doda e Ivan Hildebrando, ambos do PSB. Agora caberá ao Poder Executivo lançar uma licitação para que organizações ligadas à cultura possam administrar os espaços do prédio localizado na Avenida Nove de Abril esquina com a Avenida Henry Borden, pelo prazo de cinco anos, prorrogáveis, concedendo assim o uso e desfruto dos munícipes da Cidade.

A iniciativa teve origem com o projeto de Lei de número 22/2016, de autoria da administração municipal, incluindo um Termo de Concessão de Uso, com todas as cláusulas e condições dessa concessão. Emenda também de autoria do vereador Ivan Hildebrando, à Cláusula 4.ª, que pretendia atribuir ao concessionário a obrigação pelo pagamento integral de todas e quaisquer despesas incidentes sobre o imóvel, abrindo um precedente para a sua responsabilização com erros verificados em modelos de gestão propostos no passado – a exemplo do Tupec, foi vetada pela prefeita e esse veto foi mantido pelos vereadores.

Portanto, dois de três vetos de Marcia Rosa sobre a licitação do Teatro foram derrubados na Câmara, garantindo saldos remanescentes de eventuais arrecadações financeiras a projetos sociais voltados à área da Cultura, Esporte e Lazer, e impossibilitando ceder ou transferir o bem a terceiros, mesmo que a título gratuito.

Expectativas – Vereadores e o movimento cultural cubatenses aguardam os próximos movimentos por parte da Prefeitura, em relação à publicação ou não, do edital de licitação para o uso do prédio do Teatro Municipal, por parte da sociedade civil. “Esperamos que com o envolvimento firme de todos os vereadores na análise e, inclusive, derrubada de dois, dos três vetos colocados pela prefeita Marcia Rosa, o processo de licitação seja aberto ainda neste ano, diz o próprio vereador Ivan Hildebrando.

O vereador ainda explica que, dentre os possíveis candidatos a administrar o espaço, caso a licitação venha a realmente ocorrer, o Teatro do Kaos (grupo teatral da cidade) já demonstra esse interesse há vários anos. “Conhecemos o trabalho sério do Kaos, que há anos apresenta peças teatrais não só em Cubatão, mas também representa a nossa Cidade em todo o Brasil e no Exterior, além de formar jovens atores, por meio da orientação dedicada do Lourimar Vieira (diretor teatral)”, finaliza Hildebrando.

Teatro do Kaos – Segundo o diretor do Teatro do Kaos, Lourimar Vieira, a decisão de realizar uma licitação para ocupação do Teatro Municipal, pode ser uma saída final para um dos mais velhos problemas da Cidade. Ele diz, esperar que essa licitação saia o mais rápido possível, já que o prédio vem se deteriorando com o passar do tempo. “É um local com duas salas de espetáculos, sendo uma com 170 e a outra com mais de 600 lugares, que não deve estar a mercê dos ratos e baratas como está. Caso a licitação ocorra e o Kaos seja o vencedor já temos projetos que viabilizem a busca de verbas para o conserto e manutenção do Teatro Municipal de Cubatão, além do apoio de famosos artistas naturais de nossa região, dentre os quais o diretor teatral Tanah Corrêa”, afirma.

Tanah Corrêa foi um dos incentivadores da prefeita Marcia Rosa, para que ela devolvesse o prédio do teatro aos objetivos originais dele, inclusive sugerindo mecanismos de gestão compartilhada, como acontece em diversos lugares do Brasil.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *