“Janelas Solitárias” e Mostra Estudantil agitam Teatro do Kaos

Elenco de "Janelas Solitárias", fotografado por Sander Newton.

Elenco de “Janelas Solitárias”, fotografado por Sander Newton.

Durante todo o ano de 2016, 230 alunos participaram do Projeto Ação Cênica, promovido pela Companhia Teatro do Kaos com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura de Cubatão. Os resultados desse trabalho serão mostrados a partir de agora. A turma da Qualificação Profissional (com Certificação Profissional do Sated/SP, inclusive DRT) irá apresentar a peça “Janelas solitárias, texto de João Fábio Cabral e direção de Níveo Diegues. Ao todo são 9 peças que serão apresentadas gratuitamente (dias 11,12,13, 18,19,20, 25, 26 e 27 de novembro, sempre às 20h). A peça também irá circular em 2017 por outras 4 cidades (Santos, Guarujá, Praia Grande e Mongaguá). Antes de subir ao palco, eles “ralaram muito”, afirma Lourimar Vieira, idealizador e gestor do projeto. Eles tiveram aulas de: História do Teatro (Orleyd Faia); Interpretação (Marcos Felipe e Níveo Diegues); Expressão Corporal (Fabiano di Melo); Expressão Vocal (Douglas Lima); Jogos Teatrais (Sander Newton); Maquiagem (Levi Tavares) e Produção (Lourimar Vieira).

No elenco de “Janelas Solitárias” figuram: Aline Pinheiro, Beatriz Maria, Bianca Souza, Caio Werneck, Carolina Martins, Cristiane Ramos, Fabio Faustino, JP de Castro, João Vítor, Júlia Alves, Layla Lauane, Luciana Adrielle,   Luiz Guilherme, Maíra Alves, Nicca Oliveira, Rafael Almeida, Rayane Santana, Udson Santos, Vanessa Ramos e William Gois.

Mostra Estudantil – O projeto também contou com Oficina de Teatro, voltada para crianças e adolescentes. E durante todo o ano tiveram aulas com: Sander Newton, Fabiano di Melo, Allana Santos, Diego Saraiva, Ricardo Oliveira. E como resultado, cada uma das 8 turmas irá encenar uma peças, que compõem a 4ª Mostra de Teatro Estudantil do Teatro do Kaos, conforme programação abaixo:

A Mostra começa no feriado da próxima terça-feira (15 de novembro) com a peça “FÁBRICA DE ADULTOS”; E prossegue dias 16, com a peça “KAOS_HOLOCAUSTO”; 17, “ELAS SENSACIONAIS”; 21, “O ELEFANTE BRANCO”; 22, “O ÚLTIMO CONTO”; 23, “NOTICIAS DE LUTO”; 24, “DOADORES DE MEMORIAS”; e 28 de novembro, “A PÍLULA FALANTE”.

Cada peça da Mostra Estudantil realizará 3 apresentações. As sessões acontecem às 15h, 17h e 19:30h.

O projeto foi realizado com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura Municipal de Cubatão. O Teatro do Kaos fica na Praça Coronel Joaquim Montenegro, 34 no Largo do Sapo em Cubatão.

Teatro Municipal de Cubatão entrará em cena?

O ator e diretor teatral Lourimar Vieira acredita que essa nova lei é uma porta importante para o Teatro Municipal.

O ator e diretor teatral Lourimar Vieira acredita que essa nova lei é uma porta importante para o Teatro Municipal.

Após 29 anos, Cubatão vive mais uma vez um capítulo da novela sem fim do Teatro Municipal “Edistio Dias Rebouças Filho”. Considerado por muitos, o maior “elefante branco” da cidade (ao lado do edifício Castro) a estrutura que começou a ser construída em 1987, tem mais uma vez a chance de finalmente ser palco de grandes atrações artísticas e culturais de Cubatão.

É que na tarde da última terça-feira (26), os vereadores da Câmara Municipal validaram a Lei 3.793, de 17 de junho de 2016, com duas emendas que haviam sido vetadas pela prefeita Marcia Rosa (PT), propostas pelos vereadores Severino Tarcício, o Doda e Ivan Hildebrando, ambos do PSB. Agora caberá ao Poder Executivo lançar uma licitação para que organizações ligadas à cultura possam administrar os espaços do prédio localizado na Avenida Nove de Abril esquina com a Avenida Henry Borden, pelo prazo de cinco anos, prorrogáveis, concedendo assim o uso e desfruto dos munícipes da Cidade.

A iniciativa teve origem com o projeto de Lei de número 22/2016, de autoria da administração municipal, incluindo um Termo de Concessão de Uso, com todas as cláusulas e condições dessa concessão. Emenda também de autoria do vereador Ivan Hildebrando, à Cláusula 4.ª, que pretendia atribuir ao concessionário a obrigação pelo pagamento integral de todas e quaisquer despesas incidentes sobre o imóvel, abrindo um precedente para a sua responsabilização com erros verificados em modelos de gestão propostos no passado – a exemplo do Tupec, foi vetada pela prefeita e esse veto foi mantido pelos vereadores.

Portanto, dois de três vetos de Marcia Rosa sobre a licitação do Teatro foram derrubados na Câmara, garantindo saldos remanescentes de eventuais arrecadações financeiras a projetos sociais voltados à área da Cultura, Esporte e Lazer, e impossibilitando ceder ou transferir o bem a terceiros, mesmo que a título gratuito.

Expectativas – Vereadores e o movimento cultural cubatenses aguardam os próximos movimentos por parte da Prefeitura, em relação à publicação ou não, do edital de licitação para o uso do prédio do Teatro Municipal, por parte da sociedade civil. “Esperamos que com o envolvimento firme de todos os vereadores na análise e, inclusive, derrubada de dois, dos três vetos colocados pela prefeita Marcia Rosa, o processo de licitação seja aberto ainda neste ano, diz o próprio vereador Ivan Hildebrando.

O vereador ainda explica que, dentre os possíveis candidatos a administrar o espaço, caso a licitação venha a realmente ocorrer, o Teatro do Kaos (grupo teatral da cidade) já demonstra esse interesse há vários anos. “Conhecemos o trabalho sério do Kaos, que há anos apresenta peças teatrais não só em Cubatão, mas também representa a nossa Cidade em todo o Brasil e no Exterior, além de formar jovens atores, por meio da orientação dedicada do Lourimar Vieira (diretor teatral)”, finaliza Hildebrando.

Teatro do Kaos – Segundo o diretor do Teatro do Kaos, Lourimar Vieira, a decisão de realizar uma licitação para ocupação do Teatro Municipal, pode ser uma saída final para um dos mais velhos problemas da Cidade. Ele diz, esperar que essa licitação saia o mais rápido possível, já que o prédio vem se deteriorando com o passar do tempo. “É um local com duas salas de espetáculos, sendo uma com 170 e a outra com mais de 600 lugares, que não deve estar a mercê dos ratos e baratas como está. Caso a licitação ocorra e o Kaos seja o vencedor já temos projetos que viabilizem a busca de verbas para o conserto e manutenção do Teatro Municipal de Cubatão, além do apoio de famosos artistas naturais de nossa região, dentre os quais o diretor teatral Tanah Corrêa”, afirma.

Tanah Corrêa foi um dos incentivadores da prefeita Marcia Rosa, para que ela devolvesse o prédio do teatro aos objetivos originais dele, inclusive sugerindo mecanismos de gestão compartilhada, como acontece em diversos lugares do Brasil.

Teatro, sim! Chega de novela!

Charge de AndreHQ ilustra dúvida sobre Teatro.

Charge de AndreHQ ilustra dúvida sobre Teatro.

Pode se parecer com um teatro, mas o destino desse prédio virou uma novela sem fim para os artistas e a população da cidade de Cubatão, desde que começou a ser construído em 1987. Um edifício majestoso, construído na Avenida 9 de Abril, esquina com a Avenida Henry Borden, em um ponto estratégico no centro cubatense, volta a ser reclamado pela comunidade, que quer o Teatro definitivamente pronto, podendo compartilhar espaços internos com uma unidade da Escola Técnica Estadual – ETEC ou de Oficinas Culturais, voltadas para a formação de profissionais ligado às artes e à produção cultural no município e na região metropolitana da Baixada Santista.

No início de dezembro foi criado um grupo no WhatsApps, denominado ‘Etec Artes Cubatão’, e o seu administrador Edson Carlos Bril, o Bombril, passou a difundir ideias sobre o aproveitamento do prédio para formação. De outro lado, o diretor teatral e coordenador do Teatro do Kaos, Lourimar Vieira, que já ocupou um espaço histórico abandonado e implantou nele o seu teatro-escola, procurou o diretor das Oficinas Culturais do Estado, Raul Christiano, em busca de apoio junto ao governador Geraldo Alckmin e o secretário de Estado da Cultura, Marcelo Mattos Araujo, para que eles contribuam para o sucesso da ideia de Cubatão ter o seu verdadeiro Teatro Municipal.

A Prefeitura de Cubatão – seguindo a conduta dos prefeitos que se sucederam desde 1987, ano em que a obra foi iniciada – não tem movido uma palha para entregar esse projeto pronto e com as configurações de teatro – objetivo inicial da obra – para a população. A prefeita Marcia Rosa (PT) chegou a cogitar a transformação do prédio em uma Policlínica, formando um ‘Quadrilátero da Saúde’, com recursos de R$ 5 milhões obtidos especificamente para isso. Mas essa ideia também não saiu do papel.

Lourimar Vieira, sempre lembra da sua experiência, quando liderou um grupo de artistas locais, se adiantando e implantando o seu próprio teatro – Teatro do Kaos – no Largo do Sapo, no ano de 2001. O imóvel se encontrava em ruínas e foi restaurado graças ao empenho dos integrantes do grupo criado em 1997, por ele, mais Ricardo Oliveira e Marcelo Ariel, em Cubatão. Nesse espaço, além da montagem de espetáculos teatrais, premiados no Brasil e no Exterior, são realizadas mostras, festivais e oficinas de formação.

Cada um com a sua estratégia, Lourimar e Bom Bril jamais desistiram do objetivo de que Cubatão tenha o seu teatro municipal. Eles mesmos já protagonizaram muitas as matérias e manifestações com a comunidade, nas mídias regionais – TV, rádio, jornais e redes sociais – contra a transformação do prédio para teatro numa policlínica.

Em uma de suas entrevistas, Lourimar Vieira destacou que a administração do PT na cidade argumentou que há um espaço para teatro no Novo Parque Anilinas. No entanto, segundo a sua experiência em espaços do gênero, no Anilinas há apenas um auditório, com tratamento técnico longe de ser encarado como teatro, por causa do pé direito baixo e sem condições da montagem de cenários.

Enquanto isso, as portas do prédio identificado como o Teatro Municipal de Cubatão continua vulnerável às invasões por moradores de rua e usuários de drogas, que em março de 2014 foram responsáveis pela provocação de um incêndio interno, que destruiu parte das cadeiras que já não resistem mais ao tempo do seu próprio abandono.

Um capítulo novo está por vir, garantem Lourimar, Ariel, Bombril. Falta saber qual será a primeira pedra movida nesse tabuleiro…

Artistas de Cubatão querem Teatro Municipal e ETEC das Artes

Teatro abandonado

Teatro abandonado

O Teatro Municipal de Cubatão é uma novela para os artistas e a população da cidade, desde que começou a ser construído em 1987. Esse edifício majestoso, construído na Avenida 9 de Abril, esquina com a Avenida Henry Borden, em um ponto estratégico no centro cubatense, volta a ser reclamado pela comunidade, que quer o Teatro definitivamente pronto e com uma unidade da Escola Técnica Estadual – ETEC, voltada para a formação de profissionais ligado às artes e à produção cultural no município e na região metropolitana da Baixada Santista.

Na última semana foi criado um grupo no WhatsApps, denominado ‘Etec Artes Cubatão’, e o seu administrador Edson Carlos Bril, o Bombril, juntamente com o diretor teatral e coordenador do Teatro do Kaos, Lourimar Vieira, procurou o diretor das Oficinas Culturais do Estado, Raul Christiano, em busca de apoio junto ao governador Geraldo Alckmin e o secretário de Estado da Cultura, Marcelo Mattos Araujo, para que estes contribuam para o sucesso dessa ideia.

A Prefeitura de Cubatão – seguindo a conduta dos prefeitos que se sucederam desde 1987, ano em que a obra foi iniciada – não tem movido uma palha para entregar esse projeto pronto e com as configurações de teatro – objetivo inicial da obra – para a população. A prefeita Marcia Rosa (PT) chegou a cogitar a transformação do prédio em uma Policlínica, formando um ‘Quadrilátero da Saúde’, com recursos de R$ 5 milhões obtidos especificamente para isso. Mas essa ideia também não saiu do papel.

Lourimar Vieira, um dos principais artistas da cidade, se adiantou e implantou o seu próprio teatro – Teatro do Kaos – no Largo do Sapo, no ano de 2001, em um imóvel que se encontrava em ruínas e foi restaurado graças ao empenho dos integrantes do grupo criado em 1997, por ele, mais Ricardo Oliveira e Marcelo Ariel, em Cubatão. Nesse espaço, além da montagem de espetáculos teatrais, premiados no Brasil e no Exterior, são realizadas mostras, festivais e oficinas de formação. Mesmo assim, Lourimar e Bom Bril jamais desistiram do objetivo de que Cubatão tenha o seu teatro municipal.

Foram muitas as matérias e manifestações da comunidade nas mídias regionais – TV, rádio, jornais e redes sociais – contra a transformação do prédio para teatro numa policlínica. Em uma de suas entrevistas, Lourimar Vieira destacou que a administração do PT na cidade argumentou que há um espaço para teatro no Novo Parque Anilinas. No entanto, segundo a sua experiência em espaços do gênero, no Anilinas há um grande auditório, com pé direito baixo e sem condições da montagem de cenários.

Enquanto isso, as portas do prédio identificado como o Teatro Municipal de Cubatão continua vulnerável às invasões por moradores de rua e usuários de drogas, que em março de 2014 foram responsáveis pela provocação de um incêndio interno, que destruiu parte das cadeiras que já não resistem mais ao tempo do seu próprio abandono.

Largo do Sapo pode se tornar Largo da Cultura

Prefeita Marcia Rosa se compromete com artistas cubatenses

Prefeita Marcia Rosa se compromete com artistas cubatenses

Durante as comemorações dos 482 anos da Fundação do Povoado de Cubatão, com ato solene na Praça Coronel Joaquim Montenegro (Largo do Sapo), na tarde de terça-feira (10), houve pronunciamento de autoridades do Município e a equipe do Teatro do Kaos, com figurinos de época, encenou o momento em que Martim Afonso de Souza doou a Rui Pinto a área que viria a se transformar no município, séculos depois.

A carta que registra a doação, datada de 10 de fevereiro de 1533, menciona pela primeira vez o nome Cubatão. “Esta é uma data significativa já que reafirma a nossa cidadania”, afirmou o secretário de Cultura, Welington Ribeiro Borges. Mas ele fez questão de desmistificar um fato histórico: apesar de receber a doação das terras, Rui Pinto nunca residiu na cidade. “Aqui, no Largo do Sapo, ficava o porto geral, que fazia a ligação do Planalto com o porto de São Vicente e, posteriormente, com o porto de Santos”.

Segundo Borges, apenas no final do século XVIII o local foi ganhando contornos de um povoado. “Em 1754, para ligar São Paulo ao porto de Santos, foi entregue a Calçada do Lorena, que ainda hoje conta com um trecho de 1.500 metros na serra. Temos sempre de conhecer para valorizar nossa história”.

Preservação – A prefeita Marcia Rosa (PT) informou que continuam as tratativas para garantir a preservação do Largo do Sapo e das casas que resistiram ao longo de décadas ao pesado tráfego de veículos que passa pelo local. “O primeiro porto geral do País precisa ser reconhecido. Temos uma história que deve ser preservada. Aqui surgiu a certidão de nascimento de Cubatão”.

Marcia Rosa disse que pretende transformar o largo em um espaço cultural, um ponto de encontro de quem produz e consome arte e cultura. Mas para isso seria preciso desapropriar os imóveis históricos, hoje nas mãos de particulares. Ela espera sensibilizar os proprietários no sentido de que doem a área ao município.

Também participaram do ato solene o vice-prefeito Donizete Tavares do nascimento, secretários municipais e vereadores. A performance do Teatro do Kaos teve a participação e direção de Lourimar Vieira, que durante a semana havia divulgado pelo Facebook um manifesto em defesa da preservação do Largo do Sapo. Nesse documento aos usuários dessa rede social importante, Lourimar alerta para o local, que também abriga o único teatro da cidade de Cubatão (o Teatro do Kaos), “símbolo de luta e resistência cultural”, que está em risco diante da possibilidade da destruição pelo grande volume de caminhões com containers.

“Reivindicamos a prefeita, a preservação do local, desapropriando as casas tombadas, para transformar o Largo do Sapo em Largo da Cultura”, acentua Lourimar Vieira.

Texto do manifesto, “A árdua luta da Cultura”

“Em São Paulo há muitos anos, Zé Celso vem brigando com Silvio Santos que quer no lugar do Teatro Oficina construir um shopping. Aqui em Cubatão a muitos anos estamos lutando para permanecer no Largo do Sapo. Desde 2008 funcionam alguns pátios de containers no Largo do Sapo. Vocês são testemunhas do quanto esses caminhões prejudicam aquele local que é tombado pelo patrimônio histórico. Já fizemos diversas matérias para Tv e Jornal. Graças a isso e aos abaixo assinado, já conseguimos meia vitória. Aqueles caminhões bi-trem que viravam e entravam naquela rua sem saída ao lado do Teatro do Kaos, não entram mais alí. Eles segue reto e lá no final próximo ao cemitério é que viram a direita. Vocês alunos e equipe do teatro, são testemunha que aquela virada a direita logo depois do teatro era o motivo pelo qual sempre abria uma cratera na rua. 
A prefeita Marcia Rosa manifestou interesse em comprar todas aquelas casas da praça onde fica nossa sede (as casas da praça são da empresa Itororó). A ideia é transformar o Largo do Sapo no complexo cultural com performances, comidas típicas e feira de artesanato aos domingos. É um sonho antigo ver aquele local preservado e respirando cultura. 
Já conseguimos uma meia vitória. Agora nossa luta é que os caminhões não passem mais na Praça (Largo do Sapo). Como vocês podem ver ao lado da praça tem um terreno bem grande por onde entravam os carros para o posta de gás (o posto GNV fechou) e é hora de lutarmos para desviar o tráfego de caminhões para passar pelo terreno ao lado da praça (que era um compromisso inicial dos donos de empresas do local).
No dia 10/2/2015 as 14h o Teatro do Kaos irá fazer uma Performance na Praça em comemoração aos 482 anos da Fundação do Povoado de Cubatão. Nessa ocasião a prefeita estará no local e vamos entregar pra ela o abaixo assinado e reivindicar os fatos supra citados. A prefeita esteve na apresentação da encenação “Caminhos da Independência” e manifestou interesse em comprar as casinhas e transformar o local em Largo da Cultura.
Nesta terça feira estarei vestido de Martim Afonso de Souza e ele “Martim Afonso” irá doar a Rui Pinto as terras de Cubatão. Essa performance comporta muita gente. Conto com vocês. Quanto mais gente melhor. A união faz a força. Vamos lá equipe (professores, alunos). Conto com vocês para mobilizarem os alunos. É importante a presença de todos. Se nos mostrarmos unidos, venceremos. 
A performance será na terça feira 10/2 as 14h. Imagino todos os professores e alunos com figurinos de época, andando pela praça para receberem os convidados.”