Curso de capacitação para elaboração de projetos culturais, sociais e esportivos

Estão abertas até a próxima quarta-feira (dia 18) as vagas para a 1ª Capacitação em Elaboração de Projetos. Trata-se de uma iniciativa inédita realizada pelo Conselho Comunitário Consultivo (CCC) do Polo Industrial de Cubatão, com apoio do Centro de Integração e Desenvolvimento Empresarial (Cide) e Prefeitura via Secretaria da Cultura.

A proposta tem o objetivo de contribuir para a qualificação de comunidades e entidades de Cubatão para elaboração de projetos voltados às áreas de cultura, esportes e assistência social. Além disso, também abordará captação de recursos e relacionamento com a iniciativa privada e Poder Público.

Da criação de uma entidade até a gestão de plano de negócios, a atividade formativa é dividida em 10 módulos e tem início no próximo dia 24. “A proposta do curso é capacitar pessoas que possam transformar ideias em projetos bem executados e monitorados, tendo como foco o benefício comum. Esta ação confirma o potencial de Cubatão em promover as mudanças de forma coesa e articulada”, detalha a coordenadora do CCC, Helga Vieira.

Por sua vez, o gerente do Cide, Valmir Ramos Ruiz, destaca: “A Capacitação em Elaboração de Projetos é mais um compromisso da Indústria com a Agenda 21 de Cubatão. É um grande passo para o desenvolvimento da Educação e Qualificação nas comunidades e notoriedade de seus projetos”.

As vagas para o curso são destinadas a lideranças comunitárias, representantes de entidades e associações, além de demais munícipes em geral que tenham propostas de ações com potencial de desenvolvimento. As inscrições devem ser feitas diretamente no Cide (Praça Getúlio Vargas, 20/Cubatão). Outras informações: (13) 3361-1388.

Nos 20 anos do Dia Mundial da Água, conheça 15 mitos sobre ela

Na quinta-feira, o Dia Mundial da Água completou 20 anos. A data, 22 de março, foi escolhida pela ONU (Organização das Nações Unidas) durante a conferência Eco-92, no Rio de Janeiro, para alertar para a escassez de água potável. Isso porque 97% da água do planeta é salgada e está no mar, imprópria para ser bebida; 1,75% é gelo; 1,24% está em rios subterrâneos. Para as mais de 7 bilhões de pessoas vivas no mundo está disponível apenas 0,01% do total de água da Terra.
No entanto, a água e o esgoto, gerado pelo uso dela, ainda são cercados de dúvidas. O Projeto Povo Cidadão e a Sabesp listaram os 15 mitos mais comuns – e também o que é verdade sobre esse bem essencial para nós. Posso beber água da torneira? Água tem gosto? A água da chuva pode contaminar a praia?
Veja as respostas:
Nunca vai faltar água,
o Brasil tem a maior quantidade de água do mundo.
O Brasil possui a maior reserva de água doce do mundo, porém mais da metade está na Amazônia e na bacia do rio Tocantins. A maior parte dos brasileiros mora em regiões com pouca água. A cidade de São Paulo tem menos água disponível do que Pernambuco, por exemplo. Imagine o custo para transportá-la da Amazônia até a capital paulista… Por isso parte da água consumida em São Paulo é captada no sul de Minas Gerais. Não desperdice.
Não posso beber
água direto da torneira.
Pode, sim. A água fornecida pelas concessionárias de água segue as normas do Ministério da Saúde e é potável, com qualidade garantida. Mas é necessário que as instalações internas, como a caixa-d’água e os canos, também estejam adequados. E essa é uma responsabilidade de cada morador/condomínio.
A água tem gosto?
A água totalmente pura não tem cor, cheiro ou gosto, mas essa água só é possível de se obter em laboratório. A água distribuída pelas operadoras é captada de um manancial e posteriormente recebe uma série de compostos no tratamento, como o cloro. Todo o caminho da água acaba conferindo um odor característico a ela. Como a nossa legislação obriga, corretamente, a manter uma concentração de cloro residual em todos os pontos da rede, o odor predominante acaba sendo o de cloro.
Uma pessoa treinada, como alguns técnicos da Sabesp, consegue até saber de qual manancial a água foi captada somente sentindo o cheiro e o gosto dela.
Por que o cloro na água que tomamos não faz mal à saúde?
As concentrações de cloro que são aplicadas à água tratada são muito baixas, somente o suficiente para manter a segurança dela até o ponto de entrega, no cavalete dos clientes (hidrômetro).
A água da chuva é limpa.
A água da chuva carrega os poluentes que estão no ar. Por isso, após chover, o céu fica mais limpo – no caso de São Paulo, a camada cinza de poluição diminui. A água da chuva também arrasta o lixo e os poluentes do chão.
A água do mar
pode ser bebida.
A água salgada não deve ser ingerida. É a água doce que serve para o consumo humano. No entanto, a água do mar pode ser transformada em potável. Esse processo se chama dessalinização e é muito caro. Geralmente é usado em países com pouca água disponível, como Arábia Saudita e Israel, ou em ilhas, como Fernando de Noronha.
Posso beber água direto
das bicas ou dos rios.
Cuidado. Essas águas podem estar contaminadas. A água potável precisa seguir as normas do Ministério da Saúde, o que é feito pelas concessionárias de água. Bicas e rios podem ter água com “cara boa” e estarem contaminadas.
A água vem do
céu e é de graça.
A chuva é fundamental para renovar o estoque de água doce, mas está errado achar que basta pegar essa água e distribuir. Ela precisa ser tratada. E isso exige uma série de processos. Além disso, quanto mais contaminadas estiverem as reservas de água, mais caro será o tratamento. Ocupações irregulares às margens de represas também agravam a situação.
Água de reúso é potável.
A água de reúso não é potável. Ela pode ser usada pela indústria, para lavar ruas, monumentos, desobstruir galerias e tubulações. Mas não deve ser consumida. Sua função é substituir a água potável em usos menos nobres. Com isso, sobra mais água tratada para beber e cozinhar, por exemplo.
Jogar cabelo no ralo do banheiro não tem problema.
O cabelo pode ficar preso na rede coletora da casa ou da rua, fazendo com que o esgoto volte e entre de novo nas casas. Além disso, nas estações de tratamento de esgoto, esses fios podem se juntar a outros compostos e fibras, como pedaços de pano e até plásticos lançados irregularmente pelo vaso sanitário, formando uma massa e até paralisando as máquinas.
Recolhendo todo o esgoto da cidade, praias e rios ficarão limpos.
Encaminhar o esgoto para tratamento é fundamental para despoluir rios, represas e praias. Mas o esgoto não é o único poluente. Lixo e a poluição que fica nas ruas (e é arrastada depois pela chuva) contribuem para contaminar a água. É a chamada poluição difusa – há estudos indicando que ela pode passar de 30% da contaminação. Além disso, há o esgoto de ligações clandestinas ou irregulares que também poluem os cursos d’água. É necessário resolver também esses fatores.
O óleo de cozinha
pode ser jogado na pia.
O óleo de cozinha entope as tubulações. Ao endurecer, acaba grudando dentro dos canos, prendendo inclusive outros restos. É como um infarto: vai fechando a artéria (no caso, o cano) até impedir a passagem do sangue (no caso, do esgoto). O resultado é a volta do esgoto para dentro de casa ou nas ruas. O óleo de cozinha precisa ser guardado e entregue em postos de coleta. Ele pode ser transformado em sabão ou massa de vidraceiro, por exemplo.
O esgoto não
serve para nada.
Com o esgoto é possível gerar energia, produzir adubo e água de reúso. O gás gerado durante o processo de tratamento do esgoto pode virar biometano e ser usado como combustível para veículos. O esgoto também pode ser tratado para uso na irrigação ou como adubo. Como ele é rico em nutrientes importantes para a agricultura, como o nitrogênio, substitui em parte o uso de agrotóxicos.
Posso jogar lixo no vaso sanitário ou no ralo da pia.
Restos de comida, remédios, fio dental, absorventes, camisinhas e similares não devem ser descartados pelo vaso sanitário muito menos pelo ralo da pia, pois podem entupir a rede. Antes de lavar a louça, limpe os restos de comida e jogue-os no lixo. Pelo ralo, só água.
::::::::: USO RACIONAL DA ÁGUA :::::::::
Banho
O banho deve ser rápido. Cinco minutos são suficientes para higienizar o corpo. A economia é ainda maior se ao se ensaboar fecha-se o registro. A água que cai do chuveiro também pode ser reaproveitada para lavar a roupa ou qualquer outra atividade da casa. Para isso, deve-se colocar um balde ou bacia embaixo para armazenar aquela água. Banho de ducha por 15 minutos, com o registro meio aberto, consome 135 litros. Se fechamos o registro, ao se ensaboar, e reduzimos o tempo para 5 minutos, o consumo cai para 45 litros. No caso de banho com chuveiro elétrico, também em 15 minutos com o registro meio aberto, são gastos 45 litros na residência. Com os mesmos cuidados que com a ducha, o consumo cai para 15 litros.
Escovar os dentes e lavar o rosto
Se uma pessoa escova os dentes em cinco minutos com a torneira não muito aberta, gasta 12 litros de água. No entanto, se molhar a escova e fechar a torneira enquanto escova os dentes e, ainda, enxaguar a boca com um copo de água, consegue economizar mais de 11,5 litros. Ao lavar o rosto em um minuto, com a torneira meio aberta, uma pessoa gasta 2,5 litros. A dica é não demorar. O mesmo vale para o barbear. Em 5 minutos gastam-se 12 litros. Com economia o consumo cai para 2 a 3 litros.
Descarga e vaso sanitário
Não use a privada como lixeira ou cinzeiro e nunca acione a descarga à toa, pois ela gasta muita água. Uma bacia sanitária com a válvula e tempo de acionamento de 6 segundos gasta de 10 a 14 litros. Bacias sanitárias de 6 litros por acionamento (fabricadas a partir de 2001) necessitam um tempo de acionamento 50% menor para efetuas a limpeza, neste caso pode-se chegar a volumes de 6 litros por descarga.  Quando a válvula está defeituosa, pode chegar a gastar até 30 litros. Mantenha a válvula da descarga sempre regulada e conserte os vazamentos assim que eles forem notados. Lugar de lixo é no lixo. Jogando no vaso sanitário você pode entupir o encanamento. E o pior é que o lixo pode voltar pra sua casa.
Cozinha
Ao lavar a louça, primeiro limpe os restos de comida dos pratos e panelas com esponja e sabão e, só aí, abra a torneira para molhá-los. Ensaboe tudo que tem que ser lavado e, então, abra a torneira novamente para novo enxágüe. Só ligue a máquina de lavar louça quando ela estiver cheia. Numa casa, lavando louça com a torneira meio aberta em 15 minutos, são utilizados 117 litros de água. Com economia o consumo pode chegar a 20 litros.
Na higienização de frutas e verduras utilize cloro ou água sanitária de uso geral (uma colher de sopa para um litro de água, por 15 minutos). Depois, coloque duas colheres de sopa de vinagre em um litro de água e deixe por mais 10 minutos, economizando o máximo de água possível. Você sabia que ao se utilizar um copo de água, são necessários pelo menos outros 2 copos de água potável  para lavá-lo. Por isso, combata o desperdício em qualquer circunstância.
Lavar roupa
Junte bastante roupa suja antes de ligar a máquina ou usar o tanque. Não lave uma peça por vez. Caso use lavadora de roupa, procure utilizá-la cheia e ligá-la no máximo três vezes por semana. Se na sua casa as roupas são lavadas no tanque, deixe as roupas de molho e use a mesma água para esfregar e ensaboar. Use água nova apenas no enxágüe. E aproveite esta última água para lavar o quintal ou a área de serviço. Ao lavar a roupa, aproveite a água do tanque ou máquina de lavar e lave o quintal ou a calçada, pois a água já tem sabão. No tanque, com a torneira aberta por 15 minutos, o gasto de água pode chegar a 279 litros. O melhor é deixar acumular roupa, colocar a água no tanque para ensaboar e manter a torneira fechada. E que tal aproveitar a água do enxágüe para lavar o quintal? A lavadora de roupas com capacidade de 5 quilos gasta 135 litros. O ideal é usá-la somente com a capacidade total.
Calçada e carro
Adote o hábito de usar a vassoura, e não a mangueira, para limpar a calçada e o pátio da sua casa. Lavar calçada com a mangueira é um hábito comum e que traz grandes prejuízos. Em 15 minutos são perdidos 279 litros de água. Se houver uma sujeira localizada, use a técnica do pano umedecido com água de enxágüe da roupa ou da louça. Use um balde e um pano para lavar o carro ao invés de uma mangueira. Se possível, não o lave durante a estiagem (época do ano em que chove menos). Muita gente gasta até 30 minutos ao lavar o carro. Com uma mangueira não muito aberta, gastam-se 216 litros de água. Com meia volta de abertura, o desperdício alcança 560 litros. Para reduzir, basta lavar o carro somente uma vez por mês com balde. Nesse caso, o consumo é de apenas 40 litros.

Sabesp amplia saneamento em Cubatão

Sabesp faz reposição de asfalto e melhora ruas e avenidas.

Qualidade de vida e melhoria ambiental começam com coleta e tratamento de esgoto de forma adequada. Em Cubatão, há cinco anos estão sendo investidos cerca R$ 74 milhões pela Sabesp, por meio do Programa Onda Limpa, para permitir a correta destinação do esgoto produzido na Cidade. O Programa está na reta final e não há mais redes para implantação, apenas a conclusão da reposição de alguns trechos de pavimentos.

A obra, que envolveu centenas de trabalhadores em dezenas de frentes em atividade ao mesmo tempo, é considerada de grandes proporções e de difícil execução, principalmente, pelo tipo de solo argila marinha encontrada na região. Este solo exige um cuidado maior no controle tecnológico para a reposição e, na maior parte dos trechos, foi feita a troca completa do solo para aterro e a correta reposição.

Desde 2007, foram implantados mais de 40 quilômetros de rede de esgoto, atendendo bairros como Bolsão IX e VII, Jardim Nova República, Jardim Casqueiro e Ilha Caraguatá. Para o funcionamento de toda esta rede e a realização das ligações domiciliares, em 2010 foi inaugurada uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), com capacidade para tratar cerca de 120 litros de esgoto por segundo.

Agora, o momento é de realizar as ligações dos imóveis à rede de esgoto beneficiando todos com o acesso à coleta e tratamento. “É um tipo de obra muito difícil, porque a cidade continua com o seu ritmo de atividades. Houve transtornos aos moradores, como fechamentos de ruas, mas agora é possível usufruir dos benefícios da rede de esgoto”, destaca o superintendente do Programa Onda Limpa, José Luiz Salvadore Lorenzi.

De acordo com estudos realizados pela Fundação Getúlio Vargas, a pedidos do Instituto Trata Brasil, o acesso à rede de esgoto gera uma valorização de até 18% no valor dos imóveis. Além disso, há um aproveitamento de desempenho em cerca de 30% melhor na educação entre crianças que tem acesso à rede de esgoto.

Todas as cidades da Baixada Santista estão abaixo do nível do mar, o que pode gerar, em alguns casos, alagamentos. “De forma geral, estamos abaixo do nível do mar, e alguns trechos apenas com a mudança da maré vão receber a interferência das águas do rio. Em dias de chuvas, essa condição pode se agravar, gerando até pontos de alagamento. Durante a execução das obras, a Sabesp não interferiu no sistema de drenagem de águas pluviais, isso porque são sistemas independentes”, afirma Lorenzi.

Ele ressalta, ainda, que mesmo com o controle tecnológico e até substituição por um solo de melhor qualidade, o terreno pode se acomodar depois de algum tempo, gerando abatimento do pavimento. “Portanto, pode ocorrer recalque em determinados trechos algum tempo depois, por isso quem perceber alguma inadequação deve ligar para a Sabesp, pelo 0800 055 0195, para que providenciemos os reparos necessários”, explica.

Lixo na rede

A rede de esgoto é projetada para receber o esgoto dos imóveis, ou seja, o resíduo proveniente do uso da água, como do chuveiro, vaso sanitário e de torneira das pias. A rede de esgoto não é dimensionada para receber as águas pluviais, por isso, é importante separar dentro dos imóveis os ralos de águas do quintal – que deve ser direcionado para a galeria de águas pluviais – da rede de esgoto.

O gerente da Sabesp em Cubatão, Luiz Celso Ferreira Arruda, destaca que a maior parte dos casos de obstruções e que geram o retorno do esgoto para os imóveis está relacionado ao uso inadequado da rede. “Em limpezas devido a obstruções encontramos uma grande diversidade de lixo, que não deveriam estar na rede de esgoto, como preservativos, absorventes, latinhas, garrafas pet, pedaços de pano e até objetos como colchão”, diz. Além de prejudicar o funcionamento da rede, algumas bombas das estações elevatórios podem ser danificados por esses objetos.

Conviver e Castelão oferecem aulas gratuitas de dança de salão

Bolero, samba, tchá, tchá, tchá e forró. Esses são alguns dos ritmos que o interessado em dança de salão poderá aprender inicialmente nas aulas gratuitas a cargo da Prefeitura. Ocorrem às segundas-feiras, no Centro Esportivo Castelão, e às quartas e sextas-feiras, no Centro de Referência do Idoso Antonia Bonfim de Aquino, o Conviver, sempre das 18 às 21 horas. As inscrições podem ser feitas em ambos os locais, antes do horário das aulas.

A informação é da instrutora do curso, Vera Lúcia Rodrigues, que se ocupa dos cavalheiros que querem aprender a dançar. Há um instrutor encarregado de ensinar os passos às damas. Basta o aluno preencher a ficha de inscrição e, em 30 dias, entregar atestado médico de que está apto para essa atividade física. Deve apresentar também documento de identidade e duas fotos 3 x 4.

Os cadastrados no Conviver, sempre com mais de 60 anos, podem comparecer e já começar a aprender a dançar. Vera Lúcia explicou que o ingresso e a saída são livres. O interessado pode dentro desse intervalo de tempo, das 18 às 21 horas, fazer o horário que quiser, começando atrasado ou saindo antes do término da aula.

O Conviver fica na Rua Fernando Costa, 181, Jardim Santa Rosa. E o Castelão, na Rua Embaixador Pedro de Toledo, 365, Centro. (Secom – PMC)