Teatro Municipal de Cubatão entrará em cena?

O ator e diretor teatral Lourimar Vieira acredita que essa nova lei é uma porta importante para o Teatro Municipal.

O ator e diretor teatral Lourimar Vieira acredita que essa nova lei é uma porta importante para o Teatro Municipal.

Após 29 anos, Cubatão vive mais uma vez um capítulo da novela sem fim do Teatro Municipal “Edistio Dias Rebouças Filho”. Considerado por muitos, o maior “elefante branco” da cidade (ao lado do edifício Castro) a estrutura que começou a ser construída em 1987, tem mais uma vez a chance de finalmente ser palco de grandes atrações artísticas e culturais de Cubatão.

É que na tarde da última terça-feira (26), os vereadores da Câmara Municipal validaram a Lei 3.793, de 17 de junho de 2016, com duas emendas que haviam sido vetadas pela prefeita Marcia Rosa (PT), propostas pelos vereadores Severino Tarcício, o Doda e Ivan Hildebrando, ambos do PSB. Agora caberá ao Poder Executivo lançar uma licitação para que organizações ligadas à cultura possam administrar os espaços do prédio localizado na Avenida Nove de Abril esquina com a Avenida Henry Borden, pelo prazo de cinco anos, prorrogáveis, concedendo assim o uso e desfruto dos munícipes da Cidade.

A iniciativa teve origem com o projeto de Lei de número 22/2016, de autoria da administração municipal, incluindo um Termo de Concessão de Uso, com todas as cláusulas e condições dessa concessão. Emenda também de autoria do vereador Ivan Hildebrando, à Cláusula 4.ª, que pretendia atribuir ao concessionário a obrigação pelo pagamento integral de todas e quaisquer despesas incidentes sobre o imóvel, abrindo um precedente para a sua responsabilização com erros verificados em modelos de gestão propostos no passado – a exemplo do Tupec, foi vetada pela prefeita e esse veto foi mantido pelos vereadores.

Portanto, dois de três vetos de Marcia Rosa sobre a licitação do Teatro foram derrubados na Câmara, garantindo saldos remanescentes de eventuais arrecadações financeiras a projetos sociais voltados à área da Cultura, Esporte e Lazer, e impossibilitando ceder ou transferir o bem a terceiros, mesmo que a título gratuito.

Expectativas – Vereadores e o movimento cultural cubatenses aguardam os próximos movimentos por parte da Prefeitura, em relação à publicação ou não, do edital de licitação para o uso do prédio do Teatro Municipal, por parte da sociedade civil. “Esperamos que com o envolvimento firme de todos os vereadores na análise e, inclusive, derrubada de dois, dos três vetos colocados pela prefeita Marcia Rosa, o processo de licitação seja aberto ainda neste ano, diz o próprio vereador Ivan Hildebrando.

O vereador ainda explica que, dentre os possíveis candidatos a administrar o espaço, caso a licitação venha a realmente ocorrer, o Teatro do Kaos (grupo teatral da cidade) já demonstra esse interesse há vários anos. “Conhecemos o trabalho sério do Kaos, que há anos apresenta peças teatrais não só em Cubatão, mas também representa a nossa Cidade em todo o Brasil e no Exterior, além de formar jovens atores, por meio da orientação dedicada do Lourimar Vieira (diretor teatral)”, finaliza Hildebrando.

Teatro do Kaos – Segundo o diretor do Teatro do Kaos, Lourimar Vieira, a decisão de realizar uma licitação para ocupação do Teatro Municipal, pode ser uma saída final para um dos mais velhos problemas da Cidade. Ele diz, esperar que essa licitação saia o mais rápido possível, já que o prédio vem se deteriorando com o passar do tempo. “É um local com duas salas de espetáculos, sendo uma com 170 e a outra com mais de 600 lugares, que não deve estar a mercê dos ratos e baratas como está. Caso a licitação ocorra e o Kaos seja o vencedor já temos projetos que viabilizem a busca de verbas para o conserto e manutenção do Teatro Municipal de Cubatão, além do apoio de famosos artistas naturais de nossa região, dentre os quais o diretor teatral Tanah Corrêa”, afirma.

Tanah Corrêa foi um dos incentivadores da prefeita Marcia Rosa, para que ela devolvesse o prédio do teatro aos objetivos originais dele, inclusive sugerindo mecanismos de gestão compartilhada, como acontece em diversos lugares do Brasil.

Teatro, sim! Chega de novela!

Charge de AndreHQ ilustra dúvida sobre Teatro.

Charge de AndreHQ ilustra dúvida sobre Teatro.

Pode se parecer com um teatro, mas o destino desse prédio virou uma novela sem fim para os artistas e a população da cidade de Cubatão, desde que começou a ser construído em 1987. Um edifício majestoso, construído na Avenida 9 de Abril, esquina com a Avenida Henry Borden, em um ponto estratégico no centro cubatense, volta a ser reclamado pela comunidade, que quer o Teatro definitivamente pronto, podendo compartilhar espaços internos com uma unidade da Escola Técnica Estadual – ETEC ou de Oficinas Culturais, voltadas para a formação de profissionais ligado às artes e à produção cultural no município e na região metropolitana da Baixada Santista.

No início de dezembro foi criado um grupo no WhatsApps, denominado ‘Etec Artes Cubatão’, e o seu administrador Edson Carlos Bril, o Bombril, passou a difundir ideias sobre o aproveitamento do prédio para formação. De outro lado, o diretor teatral e coordenador do Teatro do Kaos, Lourimar Vieira, que já ocupou um espaço histórico abandonado e implantou nele o seu teatro-escola, procurou o diretor das Oficinas Culturais do Estado, Raul Christiano, em busca de apoio junto ao governador Geraldo Alckmin e o secretário de Estado da Cultura, Marcelo Mattos Araujo, para que eles contribuam para o sucesso da ideia de Cubatão ter o seu verdadeiro Teatro Municipal.

A Prefeitura de Cubatão – seguindo a conduta dos prefeitos que se sucederam desde 1987, ano em que a obra foi iniciada – não tem movido uma palha para entregar esse projeto pronto e com as configurações de teatro – objetivo inicial da obra – para a população. A prefeita Marcia Rosa (PT) chegou a cogitar a transformação do prédio em uma Policlínica, formando um ‘Quadrilátero da Saúde’, com recursos de R$ 5 milhões obtidos especificamente para isso. Mas essa ideia também não saiu do papel.

Lourimar Vieira, sempre lembra da sua experiência, quando liderou um grupo de artistas locais, se adiantando e implantando o seu próprio teatro – Teatro do Kaos – no Largo do Sapo, no ano de 2001. O imóvel se encontrava em ruínas e foi restaurado graças ao empenho dos integrantes do grupo criado em 1997, por ele, mais Ricardo Oliveira e Marcelo Ariel, em Cubatão. Nesse espaço, além da montagem de espetáculos teatrais, premiados no Brasil e no Exterior, são realizadas mostras, festivais e oficinas de formação.

Cada um com a sua estratégia, Lourimar e Bom Bril jamais desistiram do objetivo de que Cubatão tenha o seu teatro municipal. Eles mesmos já protagonizaram muitas as matérias e manifestações com a comunidade, nas mídias regionais – TV, rádio, jornais e redes sociais – contra a transformação do prédio para teatro numa policlínica.

Em uma de suas entrevistas, Lourimar Vieira destacou que a administração do PT na cidade argumentou que há um espaço para teatro no Novo Parque Anilinas. No entanto, segundo a sua experiência em espaços do gênero, no Anilinas há apenas um auditório, com tratamento técnico longe de ser encarado como teatro, por causa do pé direito baixo e sem condições da montagem de cenários.

Enquanto isso, as portas do prédio identificado como o Teatro Municipal de Cubatão continua vulnerável às invasões por moradores de rua e usuários de drogas, que em março de 2014 foram responsáveis pela provocação de um incêndio interno, que destruiu parte das cadeiras que já não resistem mais ao tempo do seu próprio abandono.

Um capítulo novo está por vir, garantem Lourimar, Ariel, Bombril. Falta saber qual será a primeira pedra movida nesse tabuleiro…

Artistas de Cubatão querem Teatro Municipal e ETEC das Artes

Teatro abandonado

Teatro abandonado

O Teatro Municipal de Cubatão é uma novela para os artistas e a população da cidade, desde que começou a ser construído em 1987. Esse edifício majestoso, construído na Avenida 9 de Abril, esquina com a Avenida Henry Borden, em um ponto estratégico no centro cubatense, volta a ser reclamado pela comunidade, que quer o Teatro definitivamente pronto e com uma unidade da Escola Técnica Estadual – ETEC, voltada para a formação de profissionais ligado às artes e à produção cultural no município e na região metropolitana da Baixada Santista.

Na última semana foi criado um grupo no WhatsApps, denominado ‘Etec Artes Cubatão’, e o seu administrador Edson Carlos Bril, o Bombril, juntamente com o diretor teatral e coordenador do Teatro do Kaos, Lourimar Vieira, procurou o diretor das Oficinas Culturais do Estado, Raul Christiano, em busca de apoio junto ao governador Geraldo Alckmin e o secretário de Estado da Cultura, Marcelo Mattos Araujo, para que estes contribuam para o sucesso dessa ideia.

A Prefeitura de Cubatão – seguindo a conduta dos prefeitos que se sucederam desde 1987, ano em que a obra foi iniciada – não tem movido uma palha para entregar esse projeto pronto e com as configurações de teatro – objetivo inicial da obra – para a população. A prefeita Marcia Rosa (PT) chegou a cogitar a transformação do prédio em uma Policlínica, formando um ‘Quadrilátero da Saúde’, com recursos de R$ 5 milhões obtidos especificamente para isso. Mas essa ideia também não saiu do papel.

Lourimar Vieira, um dos principais artistas da cidade, se adiantou e implantou o seu próprio teatro – Teatro do Kaos – no Largo do Sapo, no ano de 2001, em um imóvel que se encontrava em ruínas e foi restaurado graças ao empenho dos integrantes do grupo criado em 1997, por ele, mais Ricardo Oliveira e Marcelo Ariel, em Cubatão. Nesse espaço, além da montagem de espetáculos teatrais, premiados no Brasil e no Exterior, são realizadas mostras, festivais e oficinas de formação. Mesmo assim, Lourimar e Bom Bril jamais desistiram do objetivo de que Cubatão tenha o seu teatro municipal.

Foram muitas as matérias e manifestações da comunidade nas mídias regionais – TV, rádio, jornais e redes sociais – contra a transformação do prédio para teatro numa policlínica. Em uma de suas entrevistas, Lourimar Vieira destacou que a administração do PT na cidade argumentou que há um espaço para teatro no Novo Parque Anilinas. No entanto, segundo a sua experiência em espaços do gênero, no Anilinas há um grande auditório, com pé direito baixo e sem condições da montagem de cenários.

Enquanto isso, as portas do prédio identificado como o Teatro Municipal de Cubatão continua vulnerável às invasões por moradores de rua e usuários de drogas, que em março de 2014 foram responsáveis pela provocação de um incêndio interno, que destruiu parte das cadeiras que já não resistem mais ao tempo do seu próprio abandono.