José Rubens Marino anuncia sua saída do Lar Fraterno

Rubens Marino disse: “Sempre quis fazer algo pela social em Cubatão. Graças a Deus, cumpri.”

Após sete anos (mais de dois mandatos) à frente da entidade, o presidente do Lar Fraterno de Cubatão, José Rubens Marino anuncia a sua saída da direção. Segundo o próprio Marino, essa decisão é de caráter pessoal e ele permanece no comando da entidade até o próximo mês de março, logo após prestar as contas relativas ao exercício de 2017 e publicar o balanço social do mesmo ano. Em seu lugar entra o atual vice-presidente da instituição, Edson de Freitas, o Édinho (ex-superintendente da Companhia Municipal de Trânsito – CMT).

O presidente diz que sempre foi contra todo e qualquer tipo de continuidade exagerada e que ciclos, um dia, chegam ao fim. “Decidi cuidar da família, que precisa muito de mim nesta altura da vida, além de também acreditar que já contribuí com o meu melhor para essa entidade, à qual tive o total apoio de todos os meus diretores, colaboradores, parceiros, comércio local empresas do Polo Industrial (em especial a Copebrás, onde importantes convênios foram firmados com o Lar Fraterno) e principalmente do nosso corpo técnico, que sempre se colocou com muito profissionalismo, amor e carinho junto ao próximo, no trabalho que é desenvolvido aqui”, diz o presidente.

O Lar Fraterno – Rubens assumiu em agosto de 2010, com o falecimento da saudosa e então presidente Cleusa Nunes Tibúrcio. Desde então, Rubão obteve importantes conquistas para a instituição como a reforma total e adaptação da Casa, a implantação de serviços técnicos inovadores na grade de atendimento aos idosos, principalmente nas áreas da saúde e terapia ocupacional. “Hoje graças ao empenho de todos que sempre olharam com bons olhos para o Lar Fraterno, podemos dizer que a entidade não fica a desejar em nada para qualquer casa de amparo ou acolhimento de idosos da Baixada Santista, devido aos serviços oferecidos aqui, independentemente de serem particulares ou de utilidade pública, como é o nosso caso”, explica.

Histórico e carreira em Cubatão – Experiente na vida pública, especialmente em Cubatão (quase 30 anos de atuação ininterrupta no município), por onde atuou em diversos cargos (vereador por um mandato – 1996/2000, secretário de finanças e chefe de gabinete no governo Nei Serra, e secretário de Esportes e Lazer na administração Clermont Castor), José Rubens Marino agradece o carinho de desses longos recebidos pelo povo de Cubatão e diz que seu mandato a frente do Lar Fraterno foi uma forma de agradecimento ao povo cubatense: “Deixo registrado o meu imenso carinho pela cidade e por todos os companheiros que de alguma forma contribuíram comigo e com o Lar Fraterno, como também desejo todo o sucesso ao Edinho, que sem dúvida fará um bom trabalho para essa instituição”, finaliza Marino. | Texto e foto do jornalista Luiz Fernando Valentim (colaborador)

 

Cubatão perde Miúdo, um grande homem

"Voz da Comunidade" na Rádio Nova Esperança

“Voz da Comunidade” na Rádio Nova Esperança

Comunidade cubatense amanhece sábado (27) com a triste notícia da morte de José Severino da Silva, o Miúdo. Pernambucano de Limoeiro, vivia em Cubatão desde 1975 e completaria 60 anos no dia 15 de novembro, deixa seis filhos e netos. Seu velório começa às 15h00, no Cemitério Municipal de Cubatão onde será sepultado neste domingo, às 10h00.

Líder comunitário da Vila Esperança, expandido para o mundo, teve a sua atuação reconhecida em diversos estudos e teses sobre as suas iniciativas exemplares para outras comunidades do Brasil e do exterior. Nos últimos anos ele lutava contra um enfisema pulmonar e não resistiu mais por volta das 4h00 da manhã deste sábado.

Ecologia – Dentre essas ações, o planejamento e o trabalho em sintonia com outros representantes da Vila Esperança, Ilha Bela, Morro do Índio e da Vila Natal, e a prefeitura de Cubatão, para ajudar a evitar novas invasões e conseguir melhorar as condições de vida da sua região. Inicialmente foram cadastradas 429 famílias no local, os próprios moradores atuaram como vigilantes e a administração municipal construiu 15 quilômetros lineares de cercas em torno do mangue.

Esse projeto previa um programa de recuperação e o desaparecimento desse complexo de favelas em seis anos, mas a construção das novas habitações ainda não aconteceu e nos últimos anos Miúdo sofria com a desatenção do poder público na concretização do sonho que colaborou muito para envolver os seus vizinhos de comunidade. Além de casas, Miúdo e o seu parceiro de lutas, Sebastião Ribeiro Nascimento, o Zumbi, tinham o conhecimento e credibilidade para convencer a todos sobre um futuro melhor na área, que contaria ainda com a criação de avenidas marginais nas bordas da Vila, para inibir novas ocupações.

Solidariedade – Miúdo e Zumbi também projetaram a moeda própria da Vila Esperança, o “mangue”, resultado de uma iniciativa das associações comunitárias “Cubatão de Bem com o Mangue” e “Rádio Comunitária Nova Esperança”, que se espelharam no sistema de economia solidária. O esquema funcionava da seguinte forma: os moradores recolhiam lixo reciclável que estava despejado no meio ambiente ou que estava concentrado nas residências e levavam até a sede das duas associações.

Esse lixo era trocado por “mangues” de acordo com a quantidade, funcionando como uma moeda local e aceitos como dinheiro nos estabelecimentos comerciais que aderiram ao projeto. O novo modelo local provocou a atenção da mídia e de instituições governamentais nacionais e estrangeiras para eles.

Comunicação – Outra iniciativa do pernambucano José Severino da Silva foi a criação da Rádio Nova Esperança FM 87,9, de Cubatão, com o seu programa “Voz da Comunidade”, apresentado de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 9h30, incentivando e divulgando trabalhos comunitários como festas, cursos, atividades culturais, mutirões, reuniões, memória histórica etc.

O então radialista comunitário Miúdo incentivava dos seus microfones a participação do povo em organizações, movimentos populares, comunidades eclesiais, sendo um dos principais meios de informação da comunidade.

Dia do Líder – No município de Cubatão, desde 2014, é comemorado o Dia Municipal do Líder Comunitário, em 11 de julho, data escolhida pela Organização das Nações Unidas – ONU, para celebrar as populações humanas. E essa iniciativa, cuja finalidade é prestar homenagem aos trabalhos desenvolvidos por pessoas que servem como elos da comunidade, quando foi aprovada pela Câmara Municipal, os vereadores enalteceram justamente a figura e a atuação de Miúdo, que a partir de hoje estará entre nós com os seus exemplos de luta e dedicação à causa das pessoas.

José Severino da Silva, o Miúdo, nunca escondeu que gostava de gente!

 

Texto de Raul Christiano, diretor de redação do jornal “Povo de Cubatão”.