DER colocará novo viaduto em uso, mas pode rever acessos

Vereador Ademário (PSDB) discutiu sobre as dificuldades de acesso à Via Anchieta

Vereador Ademário (PSDB) discutiu sobre as dificuldades de acesso a Via Anchieta

O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) está concluindo a fase de paisagismo da duplicação do viaduto Rubens Paiva sobre o km 59 + 800 da Via Anchieta e a liberação para o trânsito de veículos deve acontecer nos próximos dias. No entanto, a polêmica sobre os acessos ao Jardim Casqueiro e Parque São Luís foi encaminhada para uma solução, durante audiência do vereador e presidente do PSDB de Cubatão, Ademário da Silva Oliveira, com o secretário de Estado de Logística e Transportes, Alberto José Macedo Filho, quarta-feira (27).

Ademário expôs ao secretário sobre o traçado das obras executadas, que impedirá a mobilidade dos moradores do Jardim Casqueiro e do Parque São Luís com a Via Anchieta, culpando a Prefeitura de Cubatão, que se preocupou mais em ver atendidas as reivindicações para a retirada da rampa de acesso ao bairro (o chamado “rabo do dragão”), e não se ateve para a necessidade do cancelamento do atual acesso direto da Rua Júlio Cunha à SP-150 (Via Anchieta).

O secretário reafirmou a posição técnica do DER, de que só justifica as alterações na alça de descida do viaduto em direção à pista Norte (São Paulo) da Via Anchieta: “Foi necessária uma adaptação no projeto de obras, com único objetivo de melhorar a seguranças dos usuários, em função das limitações presentes às margens da rodovia”, divulgou o DER.

A alça central do novo viaduto, que agora desce no sentido à Rodovia dos Imigrantes, foi segregada (com barreiras de concreto) não permitindo o acesso à Via Anchieta para não gerar acidentes, com fluxo no cruzamento em “X”.

Segundo o DER, “este tipo de tráfego não é praticável em uma via com limite de velocidade de 110 Km/h, onde não há condições seguras de mudança de faixa de forma repentina”.

Compromisso de rever os acessos

O secretário de Estado de Logística e Transportes se comprometeu com o vereador Ademário da Silva, que estava acompanhado do presidente da Sociedade de Melhoramentos do Parque São Luís, Toninho Vieira, na audiência em São Paulo, em “colocar a duplicação em operação e, com o uso, sentir os pontos não conformes”, ressaltou o parlamentar cubatense do PSDB.

Ademário complementa a perspectiva futura com a posição reforçada pelo secretário Alberto José Macedo Filho, de que “o tráfego no local será monitorado e poderá ser alterado futuramente, com a redução do limite de velocidade, reforço na sinalização e retirada das barreiras de concreto, em ação conjunta com a Ecovias”.

Vereadores cubatenses encontram Secretário da Habitação

Secretário da Habitação do Estado recebe comitiva cubatense

Secretário da Habitação do Estado recebe comitiva cubatense

O presidente da Câmara, Aguinaldo Araújo (PDT), juntamente com os vereadores Ademário da Silva Oliveira (PSDB), César Nascimento (PDT), Dinho Heliodoro (SDD), Ivan Hildebrando (PDT) e Jair Ferreira (PT), o Jair do Bar, se reuniram terça-feira (03) com o secretário de Estado da Habitação, Nelson Baeta Neves Filho, na Capital. Também participaram do encontro uma comissão de moradores dos bairros Vila Teimosa, Pilões e Vila Noel, além de representantes da administração municipal. Na pauta, a situação desses núcleos habitacionais que em breve serão extintos.

Indagado pelos vereadores sobre a possibilidade de alguma ajuda financeira para os moradores do Pilões, que sofrem constantemente com as enchentes e precisam deixar o local, Baeta foi enfático ao afirmar que novos auxílios-moradia não serão concedidos. “O esforço é para investir todos os recursos na produção de moradias”. Dinho disse entender a realidade fiscal do estado, mas afirmou que é uma questão de humanidade. “Trata-se de uma situação limite, precisamos evitar uma nova tragédia”.

Ademário lembrou que em 2013 o governador Geraldo Alckmin prometeu que em dois anos essa situação do Pilões estaria resolvida. Naquele ano, o núcleo habitacional sofreu uma das piores enchentes da história. O vereador ainda criticou a postura da prefeitura que, em vez de doar terrenos ao estado para execução de casas, prefere vendê-los.

Baeta admitiu que o governo do estado encontra dificuldades para encontrar terrenos na Baixada Santista para construir moradias. O secretario disse que é preciso estabelecer parcerias com as prefeituras locais a fim de que se criem condições favoráveis para execução das obras. O programa “Minha Casa Minha Vida” também é apontado por Baeta como alternativa para o problema do déficit habitacional no estado.

Sobre a Vila Teimosa, área reintegrada à posse do Estado recentemente, quinze famílias hoje estão cadastradas pelo Programa Serra do Mar. No entanto, existem mais trinta que deveriam ter sido incluídas. Uma sugestão feita pelos vereadores é que essas pessoas possam ser inseridas no Litoral Sustentável ou mesmo no projeto que contempla a Vila Noel.

O secretário afirmou que precisa analisar o caso da Vila Teimosia. Ele se comprometeu em dar uma resposta nas próximas semanas. Para Ivan, “é legítimo inserir essas famílias no Programa Serra do Mar”. Baeta também prometeu estudar a possibilidade acelerar o cronograma de obras para construção de novas moradias.

Em sua intervenção, a diretora da Secretaria Municipal de Habitação, Carolina Correia Rosa, demonstrou preocupação com a ideia de inserção de novas famílias no projeto da Vila Noel, o que, segundo ela, poderia inviabilizar todo projeto.