Pesquisa do IPAT confirma Ademário em 1.º lugar com 25,3%

Pesquisa registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo SP-07511/2016

Pesquisa registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo SP-07511/2016

A corrida eleitoral chega na reta final e o candidato do PSDB à Prefeitura de Cubatão, Ademário da Silva Oliveira, lidera a preferência do eleitorado com 25,3% das intenções de voto. Esse é o resultado da pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas A Tribuna – IPAT, registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo SP-07511/2016, realizada nos dias 23 e 24 de setembro, com intervalo de confiança de 95% e divulgada na edição desta quarta-feira (28), e confirma resultados da semana passada do Instituto Opinião contratado pelo jornal “Diário do Litoral”.

A liderança de Ademário é isolada, mediante a apresentação dos nomes dos cinco candidatos, para uma amostragem de 800 eleitores cubatenses. Devido à margem de erro da pesquisa, de 3,5% para mais ou para menos, os outros quatro concorrentes estão tecnicamente empatados: Severino Tarcício, o Doda (PSB), aparece em segundo lugar com 15,4%, Wagner Moura (PMDB) com 12,5%, Dinho Heliodoro (SD), tem 10,1%, e Fábio Inácio (PT), conta com 8,9% da vontade de votar do povo cubatense.

Dos entrevistados, 15% disseram que votarão em branco, nulo ou em nenhum dos candidatos, e 12,8% ainda não sabiam em quem votar. Excluídas essas respostas e considerados somente os votos válidos, Ademário soma 35,1% das preferências. Depois vêm Doda (21,3%), Wagner Moura (17,3%), Dinho (14%) e Fábio (12,3%).

Quando os pesquisadores do IPAT perguntaram aos eleitores que, entre os cinco candidatos, em quem não votaria de jeito nenhum, 32,3% citaram o nome de Fábio Inácio; Doda e Wagner Moura são rejeitados por 21,8% cada; Ademário por 20% e Dinho recebeu 18% das citações contrárias.

Pesquisa espontânea – Na sondagem espontânea, em que os pesquisadores do IPAT não mostraram aos entrevistados os nomes dos candidatos, a classificação seguiu a mesma ordem da consulta estimulada, com números diferentes: Ademário obteve 19,2% das citações; Doda, 11,1%; Wagner, 9,2%; Dinho, 6,9% e Fábio, 5,4%.

89,4% rejeitam Marcia Rosa – A pesquisa que sinaliza para o futuro da Prefeitura de Cubatão, com Ademário Oliveira prefeito se as eleições fossem no início da semana, também mostra a rejeição do eleitorado à prefeita Marcia Rosa, que é de praticamente nove em cada dez entrevistados nesta pesquisa eleitoral. O índice é de 89,4%, quase igual ao apurado em relação à prefeita de Guarujá, Maria Antonieta Brito (PMDB), rejeitada por 89,5%, e inferior à do prefeito de São Vicente, Luís Carlos Bili, sem partido, que alcançou 94,7%.

Segundo o cientista político Alcindo Gonçalves, coordenador do IPAT, a imagem de Marcia foi abalada pelas “várias ameaças de cassação (do mandato de prefeita, com dois pedidos votados recentemente pela Câmara de Vereadores) e a crise, que bateu forte na receita (da Prefeitura)”.

Câmara Municipal – Na mesma pesquisa, o IPAT quis saber também em quem os eleitores de Cubatão votariam para compor as 15 vagas do Poder Legislativo a partir do dia 1.º de janeiro de 2017, Cesar aparece com 2,9%; Augusto Rei do X Salada, 2,5%; Roxinho, 2,5%; Ricardo Queixão, 2,3%; Toninho Vieira, 1,9%; Jair do Bar, 1,8%; Pastor Valdeci Santos, 1,8%; Tinho, 1,8%; Fábio Moura, 1,6%; Rafael Tucla, 1,5%; Allan Matias, Cotia, Irmão Ximenes e Missionário Marcos Cardoso, cada um com 1,4%; Pádua, Professor Welington, Sérgio Peralta e Zelma, com 1,1% cada um; Gilvan Barreto, Professor Cagé, e Sérgio Calçados, todos com 1,0% cada. Os demais candidatos tiveram um número menor de citações.

Fim da greve no Hospital Municipal de Cubatão

Paulo Pimentel, presidente do SintraSaúde, considerou uma conquista importante da categoria: "Alertamos sobre o compromisso dos governos prioritariamente com a Saúde"

Paulo Pimentel, presidente do SintraSaúde, considerou uma conquista importante da categoria: “Alertamos sobre o compromisso dos governos prioritariamente com a Saúde”

Chegou ao fim a greve dos trabalhadores do Hospital Municipal de Cubatão, na noite desta quinta-feira (14). A decisão foi anunciada pelo presidente do SintraSaúde, Paulo Pimentel, que aguardava a confirmação dos recebimentos relativos ao dissídio da categoria, retroativos a outubro de 2015.

A administração municipal recebeu uma verba de R$ 5 milhões do Governo Federal e a quantia foi repassada à Associação Hospitalar Beneficente do Brasil – AHBB, Organização Social – (OS) responsável por administrar o hospital. A entidade começou a efetivar os pagamentos dos salários atrasados, depositando integralmente, inclusive os valores correspondentes ao dissídio.

Para o dirigente sindical, Paulo Pimentel, o resultado desse “movimento pacífico dos trabalhadores da Saúde de Cubatão foi vitorioso. E estamos muito agradecidos por esse comportamento da nossa categoria, que não podia mais suportar esse descaso. Cabe aos governos manter a Saúde e o nosso movimento serviu de alerta para as autoridades responsáveis por isso”, enfatizou.

Escala de trabalho – o SintraSaúde já havia acompanhado a organização das escalas previstas para a noite desta quinta-feira, a partir das 19h00, com a retomada dos serviços. Mas em função da demora na confirmação dos valores nas contas, a categoria decidiu voltar às atividades a partir das 7h00 da manhã desta sexta-feira, começando a normalizar o atendimento à população.

Paulo Pimentel declarou que o SintraSaúde acompanhará de perto o retorno ao trabalho, depois de 30 dias de greve, “para garantir que não haja nenhum tipo de assédio moral ou perseguição dos trabalhadores, que exercitaram um direito nada mais do que justo, diante da situação no município de Cubatão”.

Tirar hospital da UTI – Oito dos 11 vereadores da Câmara Municipal de Cubatão estiveram na tarde da última quarta-feira (13), em uma audiência na Casa Civil do Estado, onde foram recepcionados pelo secretário-Chefe, Samuel Moreira da Silva. Aguinaldo Araújo e Ricardo Queixão (PDT), Doda (PSB), Dinho (SDD), Fábio Inácio e Jair do Bar (ambos do PT) e César e Ademário (PSDB) pediram ajuda ao Governo do Estado para a manutenção do Hospital Modelo, que vem passando por grave crise financeira.

Os vereadores levaram consigo a proposta, de que o estado administre 80 (50%) dos leitos do complexo de saúde, deixando assim a outra metade, por parte da Administração Municipal. O presidente da Câmara, o vereador Aguinaldo Araújo (PDT) diz ter ficado esperançoso com o resultado dessa reunião. “As expectativas são boas. O legislativo está fazendo a parte dele para que tudo possa ser resolvido da melhor forma possível”.

Já o vereador César Nascimento (PSDB) disse que a resolução do problema do Hospital é uma questão de diálogo. “Vamos apresentar a nossa proposta e as necessidades do povo de Cubatão. Acreditamos que o Governo do Estado esteja aberto à negociação, já que estamos falando não só dos funcionários, que estão com seus proventos atrasados, mas também de vidas, já que este é um hospital de porte regional”, explica.

Prefeita – A prefeita de Cubatão, Márcia Rosa (PT), também foi até a Casa Civil do Estado, para participar da reunião. Porém, a petista não foi junto com o grupo de vereadores, mas sim com outra comitiva, dentre os quais estava presente o secretário municipal de Saúde, Benjamin Lopes.

Durante o encontro, os representantes do governo estadual garantiram agilizar a liberação de uma verba de R$3 milhões, além do repasse de mais R$6 milhões relacionados ao Fundo Metropolitano, por meio da Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem).

O Hospital Municipal de Cubatão custa mensalmente R$ 4,4 milhões e atende pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O município é responsável por 83% do custeio do sistema de saúde local, enquanto o Governo Federal contribui com cerca 17% e o Governo do Estado com 0,13%.

Ainda em São Paulo, na quarta-feira, Marcia Rosa (PT) não escondia a expectativa do fim da greve da categoria, iniciada em 21 de junho. Em audiência com o secretário estadual da Casa Civil, Samuel Moreira, a prefeita pediu recursos do Estado ao deputado estadual Paulo Correia Jr. (PEN), para ajudar a manter o hospital.