DER atende a comunidade e ilumina trecho da Vila dos Pescadores

Acesso a Vila dos Pescadores iluminada pelo Governo do Estado.

Acesso a Vila dos Pescadores iluminado pelo Governo do Estado.

A comunidade da Vila dos Pescadores e de Vila Pelicas, representada pela Associação Comunitária do Bairro, cujo presidente é o José Arnaldo dos Santos, o Vadinho da Villa, juntamente com o líder comunitário e dos esportes cubatenses, Washington Luiz Lessa, o Carioca, registrou uma conquista importante após visita e reunião com o vereador Ademário Oliveira (PSDB) e o advogado Rodryell Pivato: a iluminação dos acessos aos bairros.

No local, o vereador constatou o problema localizado em um trecho que, devido à falta de iluminação, é responsável por acidentes e a sensação de insegurança das pessoas. Foi importante essa visita também para identificar a responsabilidade do Departamento de Estradas de Rodagem – DER com a situação, para que Ademário pudesse elaborar um ofício e encaminhasse a reivindicação para que esse órgão providenciasse a iluminação do local.

Repercussão positiva – Para o líder Carioca, a rapidez no encaminhamento da solução por Ademário chegou a emocioná-lo: “a cidade precisa ter gente sensível assim no seu comando. Entre o ofício e o atendimento, não deu uma semana”.

Essa mesma emoção foi compartilhada por Vadinho da Villa, que lembrou à reportagem do jornal ‘Povo de Cubatão’, que há anos esse problema era vivido pelos moradores das Vilas dos Pescadores e Pelicas, sem que as autoridades eleitas pelos bairros que ele representa com a Associação Comunitária dessem a devida atenção.

“Os daqui eleitos agem como se não fossem do bairro. A comunidade passa dificuldades e poucos realmente a defendem, lutam por ela. Gritar não adianta, tampouco ficar na barra da saia de alguém. Por isso agradeço ao vereador Ademário e ao Carioca, por essa conquista”, acentuou Vadinho.

Indagado sobre o seu trabalho e a importância dessa resposta rápida do Governo do Estado, que comanda o DER, Ademário disse que não fez nada além do que é o seu dever com a comunidade cubatense.

Ademário recebe ameaças por WhatsApp

Vereador cubatense vem se destacando na oposição e agora enfrenta baixo nível nas redes sociais

Vereador cubatense vem se destacando na oposição e agora enfrenta baixo nível nas redes sociais

Disputa eleitoral em Cubatão baixa o nível antes de começarem oficialmente as campanhas. Os ataques pelas redes sociais têm sido comuns, mas agora a honra do prefeiturável do PSDB é atacada para tentar impedi-lo de disputar as eleições municipais deste ano.

A reportagem do jornal ‘Povo de Cubatão’ teve acesso a mensagem recebida pelo vereador Ademário da Silva Oliveira, presidente do diretório municipal do PSDB, em que menciona outro pré-candidato a prefeito da cidade, ofende e ameaça o tucano.

Essa ocorrência partiu do número de telefone celular – (013) _ _ _ _ _ – 9739 – , por meio do aplicativo WhatsApp, e aparentemente pode ser interpretada como uma tentativa de intimidação do pré-candidato a prefeito pelo PSDB, ameaçando-o de promover ataques contra a sua pessoa, se ele submeter o seu nome à convenção do partido e disputar a Prefeitura de Cubatão nas eleições de 02 de outubro.

Com o seu aparelho de telefone em mãos, Ademário Oliveira, que é também advogado em Cubatão e atualmente exerce o seu primeiro mandato como vereador, sendo o mais votado na história da cidade, se dirigiu à Delegacia Regional de Polícia Civil em Santos, onde foi recebido e atendido pelo delegado assistente da Seccional de Polícia, Luís Eduardo Maia, na última segunda-feira (18).

O delegado Maia recomendou imediatamente que se elaborasse um boletim de ocorrência policial e, tendo em vista a menção de outro nome de prefeiturável cubatense na mensagem, a reportagem apurou que foi iniciada uma investigação sigilosa, principalmente em decorrência de Cubatão já registrar em sua história, antecedentes de violência contra políticos.

Casos não resolvidos – O atentado contra a vida do ex-prefeito Clermont Silveira Castor, em 2001, e as mortes dos vereadores João Santana de Moura Villar, o Tucla, em 2010, e Aniz Rahal Maluf, também em 2010, até hoje sem esclarecimentos públicos, impõem o zelo policial nesse início da campanha de 2016.

Registrar o Boletim de Ocorrência – BO por parte de Ademário Oliveira foi uma medida para salvaguardar a sua honra e garantir que as campanhas não sejam manchadas e a democracia posta em risco, comentou o vereador e um advogado especializado em direito eleitoral consultado por ele.

Cangaço eletrônico – Para o vereador Ademário, o trabalho da polícia será essencial nesse processo para garantir que a “Democracia não seja abalada e também para impedir o crescimento do cangaço eletrônico numa Cidade que tem um povo trabalhador, pacífico e deseja mudanças para melhor em todos os setores da Prefeitura de Cubatão e do território municipal”.

Fim da greve no Hospital Municipal de Cubatão

Paulo Pimentel, presidente do SintraSaúde, considerou uma conquista importante da categoria: "Alertamos sobre o compromisso dos governos prioritariamente com a Saúde"

Paulo Pimentel, presidente do SintraSaúde, considerou uma conquista importante da categoria: “Alertamos sobre o compromisso dos governos prioritariamente com a Saúde”

Chegou ao fim a greve dos trabalhadores do Hospital Municipal de Cubatão, na noite desta quinta-feira (14). A decisão foi anunciada pelo presidente do SintraSaúde, Paulo Pimentel, que aguardava a confirmação dos recebimentos relativos ao dissídio da categoria, retroativos a outubro de 2015.

A administração municipal recebeu uma verba de R$ 5 milhões do Governo Federal e a quantia foi repassada à Associação Hospitalar Beneficente do Brasil – AHBB, Organização Social – (OS) responsável por administrar o hospital. A entidade começou a efetivar os pagamentos dos salários atrasados, depositando integralmente, inclusive os valores correspondentes ao dissídio.

Para o dirigente sindical, Paulo Pimentel, o resultado desse “movimento pacífico dos trabalhadores da Saúde de Cubatão foi vitorioso. E estamos muito agradecidos por esse comportamento da nossa categoria, que não podia mais suportar esse descaso. Cabe aos governos manter a Saúde e o nosso movimento serviu de alerta para as autoridades responsáveis por isso”, enfatizou.

Escala de trabalho – o SintraSaúde já havia acompanhado a organização das escalas previstas para a noite desta quinta-feira, a partir das 19h00, com a retomada dos serviços. Mas em função da demora na confirmação dos valores nas contas, a categoria decidiu voltar às atividades a partir das 7h00 da manhã desta sexta-feira, começando a normalizar o atendimento à população.

Paulo Pimentel declarou que o SintraSaúde acompanhará de perto o retorno ao trabalho, depois de 30 dias de greve, “para garantir que não haja nenhum tipo de assédio moral ou perseguição dos trabalhadores, que exercitaram um direito nada mais do que justo, diante da situação no município de Cubatão”.

Tirar hospital da UTI – Oito dos 11 vereadores da Câmara Municipal de Cubatão estiveram na tarde da última quarta-feira (13), em uma audiência na Casa Civil do Estado, onde foram recepcionados pelo secretário-Chefe, Samuel Moreira da Silva. Aguinaldo Araújo e Ricardo Queixão (PDT), Doda (PSB), Dinho (SDD), Fábio Inácio e Jair do Bar (ambos do PT) e César e Ademário (PSDB) pediram ajuda ao Governo do Estado para a manutenção do Hospital Modelo, que vem passando por grave crise financeira.

Os vereadores levaram consigo a proposta, de que o estado administre 80 (50%) dos leitos do complexo de saúde, deixando assim a outra metade, por parte da Administração Municipal. O presidente da Câmara, o vereador Aguinaldo Araújo (PDT) diz ter ficado esperançoso com o resultado dessa reunião. “As expectativas são boas. O legislativo está fazendo a parte dele para que tudo possa ser resolvido da melhor forma possível”.

Já o vereador César Nascimento (PSDB) disse que a resolução do problema do Hospital é uma questão de diálogo. “Vamos apresentar a nossa proposta e as necessidades do povo de Cubatão. Acreditamos que o Governo do Estado esteja aberto à negociação, já que estamos falando não só dos funcionários, que estão com seus proventos atrasados, mas também de vidas, já que este é um hospital de porte regional”, explica.

Prefeita – A prefeita de Cubatão, Márcia Rosa (PT), também foi até a Casa Civil do Estado, para participar da reunião. Porém, a petista não foi junto com o grupo de vereadores, mas sim com outra comitiva, dentre os quais estava presente o secretário municipal de Saúde, Benjamin Lopes.

Durante o encontro, os representantes do governo estadual garantiram agilizar a liberação de uma verba de R$3 milhões, além do repasse de mais R$6 milhões relacionados ao Fundo Metropolitano, por meio da Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem).

O Hospital Municipal de Cubatão custa mensalmente R$ 4,4 milhões e atende pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O município é responsável por 83% do custeio do sistema de saúde local, enquanto o Governo Federal contribui com cerca 17% e o Governo do Estado com 0,13%.

Ainda em São Paulo, na quarta-feira, Marcia Rosa (PT) não escondia a expectativa do fim da greve da categoria, iniciada em 21 de junho. Em audiência com o secretário estadual da Casa Civil, Samuel Moreira, a prefeita pediu recursos do Estado ao deputado estadual Paulo Correia Jr. (PEN), para ajudar a manter o hospital.

Vereador quer auditoria nas contas da Saúde

Funcionários do hospital pedem a vereadores, encontro com prefeita.

Funcionários do hospital pedem a vereadores, encontro com prefeita.

No mesmo dia da sessão ordinária, em que os vereadores aprovaram a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do município de Cubatão para o exercício de 2017, com duas emendas, na terça-feira (5), a crise da saúde local com a greve dos funcionários do Hospital Modelo sacudiu a classe política. Os funcionários acompanhados de representantes do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Santos e Região (Sintrasaúde) aproveitaram essa oportunidade e se reuniram com os vereadores para discutir a greve que já dura mais de vinte dias.

A sessão, exclusiva para a votação do projeto da LDO, que o aprovou em primeira e segunda discussões, tinha tudo para ser tranquila, mas precisou compartilhar entre todos os presentes a insatisfação com o governo da prefeita Marcia Rosa (PT) na gestão do hospital. E o tom da conversa se elevou quando os funcionários apelavam por uma ajuda externa a Cubatão, principalmente por parte do Governo do Estado.

Foi nesse momento que o vereador Ademário da Silva Oliveira (PSDB), um dos políticos mais próximos do governador Geraldo Alckmin, se manifestou sobre a visão geral a respeito da administração petista de Cubatão: “Quando se apela pelo socorro do governador do Estado, ninguém consegue achar uma resposta que possa justificar o fato de Cubatão ter o orçamento que temos e ainda entrar em colapso na saúde. Essa pergunta é feita sempre para nós, que valorizamos o planejamento e aqui não temos”, ressaltou Ademário.

O vereador também relembrou que no primeiro semestre Cubatão recebeu R$ 12 milhões dos governos federal e estadual, baseando isso na informação de que o atendimento à saúde local é pleno, “que pode fazer tudo e que na real pode nada”, contrapondo ao novo vereador Fábio Inácio (PT), que tentou justificar o papel do hospital que não atende somente a Cubatão hoje em dia e que precisava repensar seus custos.

Auditoria – O vereador Ademário defende, a exemplo do Ministério Público do Estado (MPE), que instaurou inquérito civil contra a Prefeitura de Cubatão para investigar se o Governo Municipal vem aplicando corretamente os recursos financeiros do Município, do Estado e da União no Hospital Municipal.

O vereador insiste que é preciso realizar com urgência uma auditoria nas contas da Prefeitura, pela Secretaria de Estado da Saúde e pelo Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DenaSUS): “Parece um saco sem fundo, os dinheiros vêm da União e do Estado, mas não chegam no destino que deveriam chegar”, enfatiza o parlamentar tucano.

Prefeitura – o secretário municipal da Saúde, Benjamin Lopez, que na semana passada – quarta-feira (29) – participou de audiência pública na Câmara Municipal e voltou a dizer que o hospital custa mensalmente R$ 4,4 milhões e atende pelo Sistema Único de Saúde (SUS) não somente os moradores da cidade, mas de toda Região Metropolitana da Baixada Santista, foi bastante criticado pelo vereador Severino Tarcício, o Doda (PSB): “Ora, de nada adianta marcar audiências com ele, porque ninguém acredita nele. Cabe a prefeita se explicar, dizer logo se há ou não uma solução, se pode ou não resolver”, sentenciou.

CONDESB – Durante audiência pública do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana (CONDESB) realizada na sede da Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem), em Santos, com o objetivo de discutir a proposta orçamentária estadual para 2017, esta virou um fórum para que moradores de Cubatão pedissem mais investimentos estaduais na Cidade.

A paralisação do funcionamento do Hospital Municipal de Cubatão foi o primeiro assunto colocado na pauta. “O governador deu R$ 11 milhões para um hospital que não está nem aberto, o Hospital dos Estivadores, e está deixando o Hospital de Cubatão morrer”, criticou Rosa Maria Cassimiro, dona de casa cubatense.

Governo Alckmin – Na próxima quarta-feira (13 de julho), às 16 horas, está prevista uma reunião na Casa Civil do Governo de São Paulo para tratar dos problemas na área da saúde de Cubatão. O encontro deve reunir a prefeita Marcia Rosa, vereadores, deputados e o representante do Estado.

Cubatão retoma luta para se tornar Estância Turística

Caminho do mar para o município que é símbolo da recuperação ambiental no mundo.

Caminho do mar para o município que é símbolo da recuperação ambiental no mundo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A retomada das discussões sobre Cubatão se tornar uma Estância Turística e conseguir novas fontes de investimentos foi tratada na Associação Comercial de Itanhaém (ACAI), palco do Seminário de Hospitalidade da Baixada Santista 2016.

O projeto do SEHLIPA foi criado e lançado no ano de 2011. A primeira edição do evento foi realizada no município do Guarujá (2012), o segundo Seminário aconteceu em Praia Grande (2013), a terceira edição do evento foi em São Paulo, em abril de 2014, e a quarta aconteceu em Santos (2015).

Nessa oportunidade, o vereador Ademário Oliveira (PSDB) foi o representante da cidade de Cubatão no evento metropolitano e ressaltou o potencial turístico de Cubatão: “Natureza exuberante, potencial para ecoturismo e turismo de aventura; Presença do Parque Estadual da Serra do Mar (núcleo Itutinga-Pilões), com a maior porção da Mata Atlântica do Estado de São Paulo; Acervos histórico, artístico e cultural; Parques municipais; Facilidade de acesso; Presença de uma ONG com fins específicos de desenvolvimento do turismo sustentável; Presença de diversas instituições de educação e pesquisa em turismo na região da Baixada Santista; A existência do turismo náutico e de pesca esportiva na Ilha de Caraguatá”.

O público-alvo do seminário foi composto por profissionais, empresários e autoridades públicas atuantes no setor de viagens e turismo. O objetivo do SEHLIPA é criar espaço para relacionamento corporativo e geração oportunidades de negócios.

Nova tentativa da Prefeitura

A sete meses da prefeita Marcia Rosa (PT) concluir o seu segundo mandato a frente da Prefeitura de Cubatão, uma nova tentativa para tornar Cubatão oficialmente uma estância turística foi realizada pela secretária municipal de Turismo, Elaine Gama Rocha, que entregou, na Assembleia Legislativa do Estado, o inventário de ofertas turísticas da cidade.

O documento atende a uma das três exigências básicas da Lei Complementar Estadual 32/12 para que uma cidade habilite-se como Município de Interesse Turístico (MIT), passo decisivo para que seja incluída entre as estâncias turísticas estaduais e tenha direito às verbas do Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias (DADE).

As outras exigências são ter Conselho Municipal de Turismo atuante (já atendida por Cubatão) e possuir Plano Diretor de Turismo. O inventário foi entregue ao deputado estadual Paulo Corrêa Júnior (PEN), atendendo à exigência de que tais documentos devam ser encaminhados por meio de um parlamentar estadual.

Na ocasião, Elaine, que estava acompanhada do ex-secretário municipal de Turismo Tico Barbosa, oficializou, também, uma solicitação para que seja ampliado para três anos o prazo para entrega do Plano Diretor do setor. Atualmente, este prazo é de 12 meses após a aprovação do Projeto de Lei Revisional das Estâncias, a qual deve ocorrer este ano.

Ao comentar as recentes movimentações da Prefeitura, o vereador Ademário Oliveira disse que Marcia Rosa devia ter priorizado essa e todas as outras iniciativas que pudessem ajudar a recuperar a situação financeira de Cubatão: “Antes tarde do que nunca, mas não há como recuperar o tempo perdido com tanto desgoverno”.

Urbanização da Vila Esperança não sai do papel

Moradores da Vila Esperança querem o Estado fazendo.

Moradores da Vila Esperança querem o Estado fazendo.

A prefeita Marcia Rosa (PT) se comprometeu em iniciar a segunda fase das obras do Projeto de Urbanização da Vila Esperança, ainda durante a sua campanha à reeleição em 2012, mas a população perdeu a esperança, porque até agora essa promessa ficou só nos contratos e nas notícias da imprensa.

Pelo menos 2.442 famílias seriam atendidas com melhorias cobradas pelo vereador Ademário Silva Oliveira (PSDB), que listou entre as promessas da prefeita petista, a construção de 1.232 novas unidades habitacionais (860 apartamentos, 144 embriões, 120 sobrepostas e 108 sobrepostas adaptadas) e de outras 1.210 moradias consolidadas (com reforma da infraestrutura e melhorias nos imóveis).

Durante visita da reportagem do jornal ‘Povo de Cubatão’ ao bairro, a triste constatação: nada aconteceu e a Vila Esperança acumula problemas nas condições atuais das moradias e nos acessos ao bairro. E o projeto envolvia ainda a construção de novos equipamentos públicos (uma escola de Ensino Infantil, uma de Ensino Fundamental, praças e playgrounds no interior dos conjuntos). Eram para ter sido construídos, também, um pequeno parque público, com uma via de borda e uma ciclovia que contornaria toda a área urbanizada.

Ademário, que além de vereador é o presidente do PSDB de Cubatão, destaca que “o governo do PT teve sete anos pra melhorar a vida de uma população de 30 mil habitantes, que reside na Vila Esperança e não conseguiu ver atendidos os seus reclamos, por absoluta falta de gestão e comprometimento das áreas de responsabilidade da Prefeitura”.

Perda de convênios

A Prefeitura, que já havia perdido um convênio de R$ 16 milhões, por incapacidade de gestão, contabiliza ainda a perda de outros R$ 200 milhões do Programa PAC do Governo Federal. E essa situação grave está gerando uma voz corrente entre os moradores do bairro, após conhecerem as moradias do Programa Serra do Mar nos conjuntos habitacionais espalhados pela cidade: “Torcemos para que o Governador Geraldo Alckmin possa fazer por nós, o mesmo que fez pelos moradores das Cotas, que viviam sobressaltados com a insegurança”, comenta um morador que pediu para não ter o seu nome escrito pelo jornal.

Abaixo-Assinado

Sensível com essas manifestações crescentes na Vila Esperança, o vereador tucano Ademário começou a mobilizar a população e montou uma barraca, e já colheu aproximadamente 5 mil assinaturas para serem encaminhadas ao Palácio do Governo do Estado, em busca de sensibilizar o governador Alckmin para que ele assuma definitivamente as obras do bairro da Vila Esperança.

Gestores da Educação reivindicam equiparação salarial, no mínimo

Diretores de escolas municipais de Cubatão falaram com o vereador Ademário (PSDB) e com a prefeita Marcia (PT).

Diretores de escolas municipais de Cubatão falaram com o vereador Ademário (PSDB) e com a prefeita Marcia (PT).

Gestores da Educação de Cubatão fizeram uma manifestação, na última terça-feira (17), diante do Paço Municipal, na Praça dos Emancipadores, em busca de equiparação salarial. Eles alegam que os salários estão defasados em relação ao valor pago aos professores da rede municipal.

Em 2008, a Prefeitura adequou a jornada do magistério, diminuindo a carga horária do professor em sala de aula. “O limite para esta adequação era 2009 e o que foi feito é o correto. Mas a escola é feita de outros profissionais, como diretor, secretário de escola, merendeira, supervisor de aluno, entre outros”, explicou o diretor de escola Peter Maahs.

Segundo ele, em razão da defasagem salarial, muitos diretores de escola estão prestando novos concursos para voltar ao cargo de professor.

O vereador Ademário da Silva (PSDB) conversou com os manifestantes e se colocou à disposição para apoiar a causa deles. “Hoje um professor com carga de 20 horas ganha o mesmo que um diretor com carga de 40. Isso é uma distorção que precisa ser corrigida, porque um diretor de escola, por exemplo, precisa de cinco anos de docência para assumir este cargo; portanto deve ter um salário maior”, disse Ademário.

Proposta

Segundo os manifestantes, eles haviam apresentado à Prefeitura uma proposta pedindo reajuste salarial de 77%. A administração teria feito uma contraproposta ofertando 35%. “Nós aceitamos este valor, mas aí a Prefeitura voltou atrás e é, por isso, que estamos aqui”, disse a diretora de escola Terezinha de Jesus Vergílio.

A prefeita Marcia Rosa (PT) também conversou com os manifestantes e se comprometeu em recebê-los na tarde de sexta-feira (20), mas adiou para esta segunda-feira (23), quando se comprometeu conduzir o processo de negociação que já dura oito meses com a Prefeitura. E os diretores das escolas municipais estarão reunidos por volta de 12h30, desta segunda-feira na Praça dos Emancipadores, diante da Prefeitura e da Câmara Municipal.

Comércio cubatense perde com o fim do Cartão do Servidor

Servidores e o comércio em geral contabilizam perdas sem o Cartão Servidor Cidadão.

Servidores e o comércio em geral contabilizam perdas sem o Cartão Servidor Cidadão.

O impasse na licitação da Prefeitura, para definir qual será a próxima administradora do Cartão Servidor Cidadão Cubatão, bem como a descontinuidade do serviço prestado pela Planinvesti, por causa do atraso no pagamento devido pela Prefeitura e do encerramento do contrato no último dia 31 de dezembro, está prejudicando os servidores municipais e todo o comércio da cidade.

Quando a Prefeitura tomou a iniciativa de criar o Cartão Servidor Cidadão, sobressaiu o objetivo de auxiliar o comércio da cidade. O vereador Ademário da Silva (PSDB), embora na oposição a prefeita Marcia Rosa (PT), sempre defendeu o benefício, inclusive propôs a correção dos valores sem reajuste há seis anos, relembrou essa história durante a reunião realizada com o Sindicato dos Servidores Públicos na tarde de quinta-feira (12).

Para a Planinvesti, administradora do cartão, “a descontinuidade do serviço foi ocasionada por culpa da Municipalidade que, por despreparo e ineficiência administrativa, não planejou corretamente os prazos para a realização da nova licitação”. A Prefeitura quer compensar essa falha, com o pagamento de um abono aos funcionários municipais, em duas parcelas de R$ 435,00 cada.

Na realidade, os cerca de 6.500 servidores deixaram de receber nesses dois meses, R$ 1.000,00 cada um, gerando uma crise enorme entre os servidores, penalizados com a perda do seu poder de compra, e, automaticamente, os comerciantes da Cidade, que já acumulam prejuízos de 50 a 70% das receitas antes proporcionadas com o Cartão.

O Secretário Municipal de Gestão, Cesar Pimentel, vê no abono uma compensação até o desembaraço da licitação para a nova administradora do Cartão, enquanto a Câmara de Vereadores começa a discutir o tema e pode votar na próxima quinta-feira (19). Mas não definiu até agora quando serão quitadas as faturas devidas a Planinvesti, totalizando R$ 6,3 milhões, vencidas em 25 de novembro e em 26 de dezembro de 2014.

Comerciantes querem solução

A reportagem do jornal ‘Povo de Cubatão’ ouviu vários comerciantes cubatenses, e constatou a preocupação deles com o desfecho dessa história. Luis Marcos Ferreira da Silva, da Drogaria Martins Fontes (Avenida Martins Fontes, 125, Vila Nova), disse que a par da expectativa das decisões da Prefeitura, já acumula um déficit de R$ 20 mil nas suas receitas estimadas: “as vendas já não acontecem como antes. Os servidores ficaram limitados à linha de crédito da Caixa de Previdência, que é condicionada ao salário de cada um. Bem diferente do Cartão do Servidor, que tinha um limite definido e o servidor podia se programar e comprar o que precisava, ajudando o comércio da nossa cidade”.

Luis Marcos enfatiza que Cubatão não vê circular dinheiro na cidade e que essa indefinição é motivo de reclamações gerais: “estávamos habituados e nos planejamos para uma coisa, que não se confirma mais. Esse é o impacto no comércio, precisamos que o Cartão volte urgente”.

A mesma posição foi defendida pela gerente Ana Carla Costa Silva, do Restaurante Cactus, que funciona na Galeria Center Lopes: “Faz muita falta o Cartão Servidor. Nossa féria foi reduzida em mais de 50%. Para se ter uma ideia do tamanho do que estamos perdendo, até dezembro recebíamos R$ 300,00 por dia, através dos cartões. Nossa féria hoje chega a R$ 60,00. E percebemos que o servidor público está apreensivo e em dificuldade. Na maioria das vezes, antes de fazerem os seus pedidos, eles consultam o saldo para ver se ainda podem usar o cartão. Muito poucos servidores aparecem por aqui dessa forma. Já estamos somando perdas”.

Christian Riquelme, do Restaurante Berrante de Ouro, na rua Dom Pedro II, esquina com a Monte Castelo, disse que o Cartão do Servidor beneficiava muito o seu comércio, porque o seu estabelecimento funciona perto de muitas escolas e de professores e funcionários: “Estamos numa crise que piorou com a falta do cartão. Nossa féria reduziu mais de 50%. Já teve dia que fechamos para o almoço”, lamentou.