POVOEDIÇÃO467

Ademário se diz “prefeito da periferia”

Desatando nós da Prefeitura, tendo a Saúde como foco principal. Ademário foi assim em 2017.

O pagamento da dívida social da rica cidade de Cubatão, que durante muitos anos atraiu pessoas da região da Baixada Santista e de todos os lugares do país para os melhores empregos no seu Polo Industrial, é a prioridade do prefeito Ademário da Silva Oliveira (PSDB), que completa neste domingo (31) os seus primeiros 12 meses de gestão.

2017 foi um ano difícil para a nova administração municipal, que em 21 de julho fechou o balanço da situação encontrada, apresentando material e documentos que comprovaram uma dívida de cerca de R$ 970 milhões. Quase um orçamento municipal, estimado em R$ 1,3 bilhão.

A reportagem do jornal Povo de Cubatão pesquisou e selecionou as principais manifestações do prefeito, em todas as mídias ao longo do ano. O destaque ficou para o compromisso de devolver o atendimento à saúde para a população, mas que entre as dificuldades financeiras e burocráticas só conseguiu realizar essa promessa – reabrindo o Hospital Modelo – no dia 1.º de dezembro:

Porque fechou o hospital no início do seu governo?

Ademário Oliveira: “O Hospital estava fechado desde junho de 2016. De maneira irresponsável o governo anterior (Marcia Rosa, PT) mantinha a folha de pagamento sem a devida prestação de serviços. Por isso o caminho foi rescindir o contrato com a antiga administradora (AHBB) para garantir os direitos dos trabalhadores.”

O Senhor era acusado de “mentir sobre dados da folha de pagamento da Prefeitura”. Como encontrou a folha?

Ademário: “A folha de pagamentos de 2016 ultrapassou o limite permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Somando os R$ 32 milhões que pagamentos do 13.º de 2016 e de férias não pagas, o percentual passa de 58%. Crime passível, inclusive, de prisão.”

Quais as medidas a serem tomadas quanto aos desmandos e irregularidades encontradas?

Ademário: “Com auxílio da assessoria jurídica e procuradoria, tudo será levado à Justiça. O objetivo é punir aqueles que cometeram irregularidades, havendo também a possibilidade de retornarem recursos aos cofres do município.”

E a urbanização de áreas invadidas, legalização fundiária e novas moradias?

Ademário: “Há projetos bem encaminhados, tais como a transferência da Vila Noel, da construção da Avenida Perimetral na Vila Esperança e a transferência da área da Vila dos Pescadores para construção de casas através do Programa Minha Casa Minha Vida.”

Como fica a sua popularidade?

Ademário: “Sabíamos das mazelas que foram cometidas e que a situação do município era falimentar. Tivemos que tomar medidas duras, não por liberalidade, mas por obrigação de fazer a coisa certa. Fizemos tudo para colocar a casa em ordem, mesmo quando nossas ações desagradaram muitos. Porém, sempre disse a todos que jamais vamos trilhar caminhos impróprios em troca de popularidade. Nossa popularidade pode oscilar. Contudo, nossa credibilidade é algo inalienável.”

Dinheiro do Estado e da União pode chegar?

Ademário: “Quando assumi encontrei a Prefeitura inscrita no Cadin Estadual (Cadastro Informativo dos Créditos não Quitados de Órgãos e Entidades Estaduais) e no Cadin Federal, devido a dívidas não honradas pela administração anterior. Essa situação complicou ainda mais as já combalidas finanças do município, que ficou impedido de receber qualquer recurso ou celebrar convênios com os dois governos. Conseguimos liminar, em agosto, retirando a Prefeitura do Cadin Estadual. Falta sair do federal.”

Por onde recuperar a economia do Município?

Ademário: “A Usiminas revelou interesse em disponibilizar áreas, hoje inativas, onde funcionava o setor de laminados (que parou de produzir) para empresas interessadas em novos empreendimentos na região. Áreas dotadas de toda infraestrutura necessária a indústrias. Cubatão é a cidade que, em razão de seu Polo Industrial, mais produziu empregos para toda a Baixada Santista – hoje é a que mais sofre com os problemas de desemprego (das 40 mil vagas de emprego perdidas na região, nos últimos 10 anos, 12 mil eram da cidade). Por isso é importante que todas as cidades se unam com vistas à retomada do crescimento e da empregabilidade da Baixada. Não só Cubatão, mas todos os demais municípios serão beneficiados.”

E o foco na saúde, fez esquecer dos outros setores que também precisam de atenção?

Ademário: “Nossa prioridade é salvar vidas. Por isso reagimos à suspensão “sine die” da concorrência pública para a abertura do hospital, determinada pelo Tribunal de Contas do Estado – TCE. A decisão de acelerar a reabertura do hospital foi tomada diante da necessidade urgente de oferecer assistência médica e hospitalar ao povo cubatense. Nós sabemos que nem o Ministério Público Estadual, nem o Tribunal de Contas, têm conhecimento da realidade fática da cidade. Nós temos.”

O Orçamento de 2018 foi elaborado pelo governo atual. Como fica agora?

Ademário: “É um orçamento dentro da expectativa de receita, adequado à realidade financeira da cidade. E incluímos todos os 18 pleitos escolhidos como prioritários pela população nas audiências do Orçamento Participativo.”

Como o Senhor lida com a oposição das eleições passadas?

Ademário: “Por exemplo, fiquei muito satisfeito com o reforço para o atendimento de urgência (renovação da frota do SAMU). Credito a conquista à articulação política do vereador Fábio Alves Moreira, o Roxinho (PMDB) com o deputado estadual de seu partido, Jorge Caruso, responsável pela inclusão do município no programa. Mais uma demonstração de que as disputas políticas ficaram para trás e que Legislativo e Executivo, independente de ideologias e cores partidárias, estão unidos com o objetivo de conquistar melhores condições de vida para o nosso povo e vencer as dificuldades impostas pela crise econômica – que atinge não só Cubatão, mas o País, e que já é considerada a pior dos últimos 30 anos.”

Faculdade de Medicina.

Ademário: “Estamos na reta final da conquista deste sonho. A implantação da faculdade não é uma tarefa fácil, tendo envolvido intenso trabalho nos últimos 8 meses. A criação de uma faculdade não se limita à construção de um prédio. As gestões envolvem questões burocráticas, legais e técnicas e têm se encaminhado com muita seriedade, responsabilidade e transparência.”

Obras inacabadas.

Ademário: “Ao assumir o governo, em janeiro deste ano, a Cidade tinha 10 obras inacabadas. As retomadas estamos entregando totalmente prontas e equipadas à população. Aos poucos, Cubatão está saindo do processo de sucateamento em que foi deixada e caminhando para um futuro promissor.”

Reabertura do Hospital Modelo.

Ademário: “Foi muito importante a composição da parceria entre a Prefeitura e a Usiminas. Mesmo nos sujeitando à impopularidade, abrimos mão de outras iniciativas, mesmo as voltadas para a conservação urbana e nos concentramos em um projeto destinado a salvar vidas. Agradeço pela paciência da população neste período, pela colaboração dos servidores municipais e pelo apoio da Câmara Municipal que agiu com a rapidez que a situação exigia. Destaco também o ex-prefeito Nei Eduardo Serra, meu colega de partido, o PSDB, em cuja gestão o hospital foi idealizado e construído. Se este hospital existe é porque alguém o idealizou 20 anos atrás.”

Manutenção da cidade.

Ademário: “Quando assumimos a Prefeitura, em janeiro, os cofres públicos estavam vazios, o Hospital fechado e toda a população reclamando, com razão, da total falta de condições de andar pelas ruas da cidade. Estamos trabalhando para devolver aos cubatenses o direito constitucional de ir e vir.”

Relação com os vereadores.

Ademário: “A harmonia existente, hoje, entre a Câmara e a Prefeitura, é demonstração de seriedade e trabalho dos dois Poderes em busca de uma cidade melhor e mais justa.”

O quê esperar de 2018?

Ademário: “Sou o prefeito da periferia. 2017 foi um ano difícil, mas realizamos coisas importantes, como a reabertura do Hospital Municipal. Vamos dar um passo de cada vez, porém passos firmes. Nossa promessa para 2018 diz respeito ao nosso futuro. Nenhuma criança fora da escola. Teremos educação com qualidade para todos”.