Morre ex-secretário cubatense, Alberto Pessoa

Atuante na medicina e na comunidade cubatense.

O ex-secretário municipal de Assistência Social da Prefeitura de Cubatão, médico Alberto Pessoa de Souza, faleceu em Santos no final da tarde deste domingo (1/4). Seu corpo será velado na Sociedade Portuguesa de Beneficência e o sepultamento acontece às 15h30, de segunda-feira (2/4) no cemitério santista da Areia Branca. Doutor Pessoa era pernambucano, natural de Recife em 1936, filho de uma família composta por onze irmãos consangüíneos e outros três de criação, todos formados e ocupando cargos de relevância na sociedade.

Seus pais eram Cícero de Souza e Maria Carmelita Pessoa de Souza. Em sua cidade natal vivia numa casa muito significativa, na saída de um bairro muito carente, denominado Ilha do Leite. Moradores da época diziam que não havia um necessitado que batesse à porta da sua família que saísse sem ser atendido, passagem relembrada na Câmara Municipal de Santos, pelo vereador Manoel Constantino dos Santos (PSDB), quando lhe foi outorgada a Medalha Brás Cubas, em 10 de setembro de 2004, pelos seus relevantes serviços prestados à saúde local.

Constantino trouxe também detalhes curiosos sobre a história do ex-secretário cubatense e um dos fundadores do Hospital Osvaldo Cruz de Cubatão, como o seu amor e respeito pelos animais, desde a infância, levou-o a sua formação inicialmente como Veterinário, pela Universidade Rural de Pernambuco, para depois se tornar o profissional completo e com brilhante carreira, após formar-se Médico, pela Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco, em Recife.

Oncologia – O oncologista Alberto Pessoa de Souza atuou durante mais de 45 anos na Sociedade Beneficência Portuguesa de Santos, e nos últimos anos era o responsável pelo setor de Quimioterapia do hospital. No alto de sua vivência e experiências com os ambientes contaminantes como a poluição industrial em Cubatão, agravada nos anos 1970, o médico teve a oportunidade de conhecer a fundo os danos causados à saúde da população, dada a sua convivência com estudos, pesquisas e pesquisadores renomados sobre o “Caso Cubatão”. Pessoa interagia com a comunidade para dar explicações e instruir os cuidados necessários.

Prevenção – Durante a sua atividade médica, bastante reconhecida e homenageada na região da Baixada Santista, Alberto Pessoa enfatizou a importância da prevenção para a redução dos casos de câncer, reforçando que parar de fumar é essencial para quem quer preservar a saúde. “O tabagismo é responsável pela grande incidência não apenas de câncer de pulmão, faringe, lábio, traquéia, mas também de bexiga. Se associarmos ao fim do tabagismo a mudança de hábitos alimentares, reduzindo drasticamente a ida ao fast-food, modelo negativo de alimentação, redução do consumo de sal, bebidas alcoólicas, carnes gordurosas ou processadas e alimentos ricos em açúcares, além de evitar conservas de maneira geral, teremos uma significativa contribuição para uma vida mais saudável.” – enfatizava.

Além do trabalho concentrado na Beneficência e no extinto Hospital Osvaldo Cruz, ele mantinha o atendimento e o conforto com a saúde às pessoas carentes de Vila Esperança, em Cubatão, e Humaitá, em São Vicente.

POVOEDIÇÃO475

POVOEDIÇÃO473

 

Pauta da Arte

Teatro no desenvolvimento de habilidades…

Quando começamos a pensar em teatro, lembramos da capacidade de falar em público. Tal habilidade de se expor, com a fala e a expressão corporal, tem feito do curso de teatro uma ferramenta para profissionais, até mesmo de Coach (que utiliza de uma metodologia para alcançar metas) já que trabalha a desenvoltura através de jogos dramáticos e a interação emocional com grupos.

A técnica também utiliza de psicodramas com jogo dramático, e que tem como objetivo permitir uma aproximação terapêutica do conflito. A cena dramática é aquela que expressa algum conflito; sem conflito não há dramaticidade e a cena é vazia, segundo o teatro. Propicia ao indivíduo expressar livremente as criações do seu mundo interno, realizando-as na forma de representação de um papel, pela produção mental de uma fantasia ou poruma determinada atividade corporal.

Utilizando do conhecimento dessa arte da atuação, a busca de expressividade por meio dela são infinitas. A técnica pode ajudar na dicção, na desinibição do falar em público e na auto-confiança.

O “Teatro Espontâneo ou Terapêutico” é a representação de histórias do cotidiano dos participantes, de forma terapêutica, onde aprende-se compartilhando essas histórias, elaborando os conflitos etc. Os participantes iniciam um aquecimento e começam a fornecer temas, que podem ser momentos vividos ou observados. O grupo elege o primeiro tema para ser dramatizado. O script da cena é criado pelos participantes, que também atuam na peça conforme forem surgindo os papéis.

O jogo é uma poderosa ferramenta para motivar e envolver grupos, resolver conflitos, facilitar a comunicação, favorecer o estabelecimento de combinados e organizar a ação. Vem ocupando, cada vez mais, um lugar de relevo nos programas de educação, terapia e treinamento.
O jogo dramático é uma maneira de levar os participantes a pensar, comprovar, relaxar, trabalhar, lembrar, ousar, experimentar, criar e absorver. É na absorção que se dá o aprendizado e, quanto mais importante for o aprendido, maior a mudança.

No jogo dramático a espontaneidade funciona como um catalisador da ação criativa. Os ingredientes são: o lúdico, o prazer e a alegria. Não necessariamente se transforma em atuação para uma peça teatral, e sim é utilizado como ferramenta, um meio de se alcançar tal competência, ou pelo simples prazer de superar suas limitações e liberar entraves com o público.

Mais exemplo de jogo dramático, divertido e muito visto em encenações de StandUp, que usa da improvisação e muita criatividade, a Blablação: que se dá com a formação de duplas ou trios, e um instrutor. Os jogadores escolhem ou aceitam um assunto para conversar. Quando a conversa se tornar fluente em português, dê a instrução blablação e os jogadores devem mudar para a blablação – que significa, simplesmente, a substituição de palavras articuladas por sons espontâneos e aleatórios que vier a cabeça – até que sejam instruídos a retornar a conversa em português. A conversa deve fluir normalmente e avançar no que se refere ao sentido. Blablação! Português! Blablação! Português! (e assim por diante). Verificar de a conversa flui e tem continuidade e se a comunicação é sempre mantida esse é o foco do jogo!

Bla Blá… interaja!

(*) Coluna Pauta da Arte | por Daniela Da Guarda | e-mail: daniela.daguarda@gmail.com

Cubatão terá Restaurante do Bom Prato

O antigo prédio da Cozinha da Comunidade está abandonado pela Prefeitura e guarda entulho e materiais inservíveis.

O governador Geraldo Alckmin anunciou por meio do deputado federal João Paulo Papa (PSDB-SP), na noite da última quarta-feira (07), que Cubatão ganhará, até o final do primeiro semestre, um Restaurante Popular Bom Prato. Há um ano, Papa vem atuando, junto ao secretário de Desenvolvimento Social do Governo do Estado, Floriano Pesaro, na busca da implantação do equipamento na cidade, que agilizou os estudos para tornar essa reivindicação antiga em realidade.

O deputado Papa esteve mais de uma vez com o secretário Floriano, acompanhando o prefeito Ademário Oliveira e os vereadores cubatenses. A unidade cubatense ficará em um prédio no Parque Fernando Jorge, da Rua Cidade de Pinhal, n.º 61, onde funcionou o programa Cozinha da Comunidade.

O local tem cerca de 1.500 metros quadrados e, com a reforma, deverá abrigar uma cozinha industrial toda de aço inox, uma câmara fria e outra quente, além de um salão de refeições e banheiros. O projeto executivo de recuperação do imóvel e adequação foi desenvolvido em parceria com a Vale Fertilizantes. Hoje o prédio está abandonado pela Prefeitura e contém entulhos e materiais inservíveis, esperando pela assinatura do convênio da Prefeitura com o Governo do Estado, estimado em R$ 1 milhão, e o início efetivo das obras necessárias.

Refeições a R$ 1,00 – O almoço de 1.200 calorias tem custo de R$ 1,00 e é composto por arroz, feijão, salada, legumes, um tipo de carne, farinha de mandioca, pãozinho, suco e sobremesa (geralmente uma fruta). Para o café da manhã, os munícipes terão leite com café ou achocolatado, ou iogurte, pão com margarina ou requeijão ou frios e uma fruta da estação. Essa refeição, de 400 calorias, em média, custa R$ 0,50.

De acordo com os técnicos da Prefeitura e da Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado, serão servidas cerca de 1.200 refeições por dia, somando café da manhã e almoço.

“O governador estava em viagem aos Estados Unidos, mas conversamos sobre o assunto, ele foi muito sensível ao pedido e autorizou o empenho junto à Secretaria de Desenvolvimento Social. Essa é uma antiga e justa reivindicação de Cubatão, prioridade do governo do Ademário, que conseguimos cumprir. Agora, será providenciada a assinatura do convênio Estado e Município, o que deve acontecer nos próximos dias, para que as obras de adaptação do prédio comecem”, explicou o deputado federal João Paulo Papa.

Na Baixada Santista, há cinco unidades do Bom Prato em funcionamento. Cubatão será o quarto da região a ter o restaurante, depois de Santos (três unidades), Guarujá e São Vicente.

Secretário de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, recebe Papa e o prefeito Ademário Oliveira.

Associação dos Estudantes de Cubatão – AEC está representada no CES

Os cubatenses Renan Maciel e Matheus Siqueira, da AEC, foram eleitos para a nova direção do CES.

Durante o Congresso do Centro dos Estudantes de Santos (ConCES 2018), que elegeu a nova diretoria da entidade e será liderada pelo presidente Caio Yuji de Souza, de 20 anos, aluno de economia da ESAMC Santos, foram eleitos dois representantes de Cubatão, Renan Maciel, estudante de Engenharia Química na UNISANTA e Matheus Siqueira, estudante de Direito na ESAMC, onde é também o presidente a Atlética da faculdade santista.

O diretores eleitos de Cubatão são integrantes da Associação dos Estudantes de Cubatão – AEC. Renan Maciel comemora que é a “primeira vez que temos estudantes de Cubatão ocupando uma diretoria no Centro dos Estudantes de Santos – CES. Trabalharemos integrados com os diversos municípios da Baixada Santista, buscando sanar as necessidades que os universitários enfrentam no dia a dia.”

Reconstrução – Matheus Siqueira, o outro representante cubatense, fez questão de ressaltar que o CES – entidade regional e histórica, uma das mais antigas do país, fundada em 1932 – “estava abandonado há muito tempo. Quem conhece o prédio sabe o problema que é aquela infraestrutura precarizada devido a não manutenção do local. Temos a obrigação de recuperar o CES e fazer com que todos os estudantes saibam que ali é local deles”.

Caio Yuji de Souza encabeçou a chapa única “Ainda há tempo”, que recebeu 36 votos favoráveis e uma abstenção dos delegados presentes, representantes com direito a voz e voto, de um total de 71 delegados inscritos. O ConCES foi realizado no ultimo dia 25 de fevereiro.

“A gente quer que este espaço cresça e que os debates sejam cada vez mais plurais, ouvindo todas e todos os estudantes. Nosso objetivo é enfrentar muita luta para obter muitas conquistas nos próximos anos”, afirmou Caio Yuji, após ser empossado.

Destacando o mote “Reconstruir o CES para os estudantes”, o Congresso reuniu estudantes de nove instituições de ensino superior da Baixada Santista, mais de oito entidades de base, e um total de 60 estudantes e observadores para debater o futuro do movimento estudantil da região.

Participaram da mesa de abertura a presidenta da União Estadual dos Estudantes (UEE-SP), Nayara Souza, a representante da Comissão Eleitoral e de Organização, Aline Cabral, a assessora da vereadora Audrey Kleys (Câmara de Santos), Marinilza Monteiro e, representando a Apeoesp, Valdemar da Silva, além do diretor do Sindserv de São Vicente, Marcelo Arias, do advogado Rogério Mehanna (OAB) e do vice-presidente do Conselho Municipal da Juventude de Santos, Henrique Pabst.

Durante o Congresso os estudantes foram divididos em dois grupos de debates, sobre alguns dos principais problemas da Região, compartilhados nos temas “Educação e Movimento Estudantil” e “Segurança pública e Mobilidade urbana”.

Os participantes, delegados e observadores contribuíram com análises, opiniões, sugestões e críticas, consideradas pelos organizadores “bastante qualificadas e baseadas na legítima vontade de construir um movimento estudantil combativo, preocupado com o atual momento de perda de direitos, e reconstruir o CES para todos e todas as estudantes”.

O novo presidente defende que é momento de construir uma nova fase do CES, por meio de uma gestão ampla, plural e democrática, que renove as esperanças dos estudantes “por uma Educação melhor e uma Região de maiores oportunidades”. A ideia é de que o CES volte a ter força para influenciar os rumos do movimento estudantil e alcançar conquistas para os cerca de 55 mil universitários da região, se autodesafia Caio Yuji.

Sabesp reforça o abastecimento para mais de 40 mil moradores de Cubatão

Reunião dos vereadores com a Sabesp e o secretário de Obras, Benaldo Melo, define medidas urgentes.

Durante a semana do Carnaval a Sabesp foi alvo de inúmeras reclamações da população por causa da falta de água em bairros diferentes de Cubatão. Diante dessa situação, o presidente da Câmara de Vereadores, Rodrigo Alemão (PSDB) procurou a Companhia para registrar a sua reclamação e convidar o seu gerente local, William de Araújo Limoeiro, para explicar a razão dessas ocorrências e iniciar as providências necessárias.

Na sede do legislativo cubatense, Limoeiro se reuniu com Rodrigo Alemão e os vereadores Ivan Hildebrando (PSB), Ricardo Queixão (PDT) e Wilson Pio (PSDB), sexta-feira (16) passada. Durante o encontro, a constante falta de água em alguns bairros da cidade e a série de problemas ocorridos em função de obras da Sabesp foram discutidas também na presença do secretário municipal de Obras, Benaldo Melo de Souza.

Alemão cobrou que é preciso avisar a população com antecedência sobre a falta de água, “até para que as pessoas possam se preparar, principalmente em um período de altas temperaturas”. E criticou: “A má qualidade dos serviços prestados pela Sabesp vem gerando grande insatisfação nos moradores locais, demonstrada nos comentários feitos nas redes sociais”.

Resposta imediata – O gerente William Limoeiro se comprometeu em mudar essa situação e nesta quinta-feira (22) a Sabesp anunciou que novos 600 metros de redes de distribuição serão colocados em funcionamento durante a noite da próxima quarta-feira (28).

De acordo com a Sabesp, essa melhorias no abastecimento vão beneficiar cerca de 44 mil moradores de Cubatão, porque a companhia executará a interligação de novos 600 metros de redes de distribuição de água, atingindo diretamente os bairros Vila São José, Vila Nova, Jardim 31 de Março, Jardim São Francisco, Jardim Anchieta, Conjunto Afonso Schmidt, Vila Santa Tereza, Parque Fernando Jorge, Vila Couto, Vila Santa Rosa, Vila Paulista, Jardim Santa Fátima e Jardim Costa e Silva.

A conexão das novas tubulações ao sistema já existente será realizada entre as 20 horas e meia-noite, a fim de minimizar os transtornos à população. Neste período o fornecimento será interrompido momentaneamente, o que poderá causar reflexos às moradias sem as caixas d’água obrigatórias de acordo com as normas técnicas nas seguintes localidades: Beira Rio, Centro, Conjunto Afonso Schmidt, Jardim 31 de Marco, Jardim América, Jardim Anchieta, Jardim Costa E Silva, Jardim São Marcos, Jardim Santa Fátima, Jardim São Francisco, Jardim Três Marias, Jardim das Indústrias, Polo Industrial, Parque Fernando Jorge, Sítio Cafezal, Vila Canadá, Vila Couto, Vila Elizabete, Vila Nova, Vila Parisi, Vila Paulista, Vila Santa Rosa, Vila Santa Tereza e Vila São José.

A distribuição de água será restabelecida de forma gradativa após o encerramento das intervenções. Por este motivo a companhia recomenda a economia do volume armazenado nos reservatórios residenciais.

Comissão de Inquérito – Por iniciativa do vereador Ivan Hildebrando, na última sessão da Câmara Municipal foi apresentado requerimento criando uma Comissão Especial de Inquérito – CEI, para tratar dos assuntos relacionados à Sabesp no município.

O vereador ressaltou na sua justificativa que além dos problemas relativos ao fornecimento de água, ainda existem as obras realizadas pela Sabesp no Município, que resultaram em buracos e marcas de depressão em diversas vias públicas, causando vários transtornos à população, principalmente em períodos de chuva.

A CEI será composta de três vereadores e deve iniciar os trabalhos nos próximos dias. Ela também discutirá o contrato de serviço de fornecimento e tratamento de água da Sabesp com a Prefeitura, que se encontra em fase de renovação. “Os erros de outrora não podem ser cometidos novamente”, afirmou Hildebrando.

Sempre alerta – A Sabesp segue 24 horas à disposição da população para atendimento às emergências e esclarecimento de dúvidas, de forma gratuita, por telefone (195 ou 0800 055 0195), Agência Virtual (www.sabesp.com.br) ou aplicativo para celulares e tablets iOS ou Android.

O Tiplam e a história da formiga e do elefante.

Canal de Piaçaguera é via de acesso do Tiplam, terminal portuário recém ampliado pela VLI. Foto: Marcos Peron

As discussões que vêm sendo travadas em referência ao Tiplam – Terminal Integrador Portuário Luiz Antônio Mesquita – ilustram com perfeição como muitas vezes o estrabismo deforma pontos de vista de pessoas bem intencionadas e inteligentes.

É aquela história do fiscal que se concentra tanto em barrar uma formiga que não percebe a passagem de um elefante numa porteira vedada aos bichos.

Se você acompanha as questões portuárias da Baixada Santista, têm preocupações com o meio ambiente e ainda não conhece o Tiplam, procure fazer uma visita. Você vai ficar feliz: o investimento da VLI Logística tem tudo o que você sonhou em matéria de  embarque de graneis no Porto de Santos.

Para começar, a chegada dos produtos se dá exclusivamente por composições ferroviárias. Isso afasta, de cara, a poluição dos escapamentos de milhares de caminhões e carretas.

Aí você pode pensar: “Deve ser um inferno de trilhos e manobras de trens”. Engano. O Tiplam tem outro ponto dos seus sonhos no projeto: a pera ferroviária. O trem entra no terminal, descarrega e segue caminho sem necessidade de nenhuma manobra. O movimento de saída é no mesmo sentido do de entrada, na continuação da malha de trilhos.

“Ah, mas tem ainda a questão da descarga de grãos, deve lançar toneladas de material particulado no ar”, você pode pensar. Novo engano. As esteiras transportadores são confinadas numa tubulação. Não escapa por elas nenhum micrograma de material particulado.

Perfeito, então? Perfeito. Mas…

Aí entra o estrabismo. Aí entra a formiga. Tem a questão da cava.

O que é a cava?

A cava é um receptáculo submarino para depósito do material dragado para aprofundamento do canal marítimo que dá acesso ao Tiplam para os navios.

É gigantesca. E o material depositado lá está contaminado por décadas de poluição do fundo do mar pelas indústrias de Cubatão. O Tiplam fica ao lado do terminal portuário da Usiminas, antiga Cosipa.

A solução representada pela cava fez toda a tramitação exigida pela legislação ambiental brasileira. Passou por todos os organismos de fiscalização. Demorou. Foi complicado.

Mas foi, depois de muito tempo, de muitas marchas e contramarchas, aprovada. Mesmo assim tem gente que olha de nariz torcido para ela. Gente que preferia outras soluções. Que talvez fossem poluir outras regiões. Ou que, pelo custo, inviabilizassem o empreendimento.

O material dragado – e contaminado – dentro da cava, isolado, tem potencial de danos ao ambiente muito menor do que no fundo do canal, de onde está sendo retirado, onde qualquer movimento pode fazer com que ele se desloque na água.

Mas aí tem a questão do estrabismo.

E a do fiscal que barra a formiga e não percebe a passagem do elefante.

Na Ponta da Praia, em Santos, há décadas, a operação de embarque de grãos é porca. O bairro residencial e bairros vizinhos, como Aparecida, em muitas safras se tornam o local mais poluído do Estado de São Paulo por material particulado. O cheiro da fermentação da soja que cai dos caminhões e se molha quando chove é insuportável. A população de ratos e pombos se multiplica. E continua lá…

Tudo de ruim. Tudo que está eliminado pela tecnologia implantada no Tiplam.

Ah, mas tem a cava…

(*) Paulo Schiff é jornalista e apresentador de rádio e TV na região da Baixada Santista. E-mail: paulo.schiff@hotmail.com