Hospital Modelo de Cubatão já atendeu 240 pacientes e fez 19 partos

Reabertura do Hospital foi aguardada 11 meses.

No dia seguinte da cerimônia de inauguração, o Hospital Municipal Modelo de Cubatão deu início aos atendimentos na nova estrutura. O balanço de atendimento até a última quarta-feira (13), 240 pacientes haviam passado pelo Hospital. Nos primeiros 10 dias, o Centro Obstétrico realizou 19 partos (sendo 11 normais e oito cesáreos), além de 123 atendimentos de urgência obstétrica e realização de 20 testes rápidos de HIV e VDRL, exames importantes que garantem maior segurança para a paciente.

Com capacidade para realizar cerca de 150 partos por mês, a maternidade funciona 24 horas para gestantes, puérperas e assistência às gestantes com complicações na gravidez. Para isso, uma equipe capacitada, incluindo médicos obstetras, pediatras e anestesistas, enfermeiros obstetras e técnicos em enfermagem atuam na realização de partos normais e cesáreos.

A estrutura possui sala de triagem, observação, consultório médico, sala de parto, sala de atendimento às urgências obstétricas e neonatais, sala cirúrgica para procedimentos obstétricos e Alojamento Conjunto, para internações após o parto. Dispõe também de sala para curetagens, duas salas de pré-parto e um quarto de PPP (Pré-parto, Parto e Pós-Parto), um dos grandes diferenciais por incentivar o parto normal e possibilitar o maior contato possível entre a mãe e o bebê em um mesmo ambiente, garantindo acolhimento e bem-estar materno.

Para o superintendente do Hospital de Cubatão, Dr. Abner Moreira de Araújo Junior, todos os esforços estão focados na valorização do cuidado ao paciente e na humanização. “Ao iniciar o atendimento da Maternidade e dos demais serviços disponíveis, buscamos oferecer um padrão de excelência na assistência com as mesmas diretrizes das demais unidades hospitalares administradas pela FSFX. Trazemos nossas práticas, amparadas em evidências científicas, promovendo e criando condições, reforçando o nosso compromisso com a qualidade e a segurança”.

Indicadores positivos – A unidade tem apresentado resultados relevantes para a comunidade. O hospital conta com 80 médicos e recebe pacientes do Pronto Socorro Central, Pronto Socorro Infantil e da Unidade de Pronto Atendimento – Jardim Casqueiro. Já foram realizadas 10 cirurgias, entre procedimentos ortopédicos, neurológico, vascular, urológico e cirurgias gerais. Dos 75 leitos disponíveis para SUS, já ocorreram 29 internações materno infantil e 26 adulto. A média de permanência na unidade está em 3,14 dias, já sinalizando importante tendência de rotatividade de leitos. Na unidade de Terapia Intensiva, já foram admitidos 10 pacientes nos leitos adulto, dois pediátricos e dois neonatais.

Para o início das atividades do Hospital, a FSFX o implantou o novo Sistema de Gestão Hospitalar, com prontuário eletrônico, e também o sistema de transmissão de imagens.

O Hospital de Cubatão atualmente tem um efetivo de 350 colaboradores, sendo 197 administrativos, 153 assistenciais. Equipe que já passou por treinamentos assistenciais, comportamentais e administrativos, o que impacta diretamente nos indicadores de qualidade da Instituição.

Alguns números (Primeiros 10 dias)

Partos

19

Urgência obstétrica

123

testes rápidos de HIV e VDRL

20

Cirurgias

10

Internação Adulto

26

Internação Materno Infantil

29

Pacientes UTI

14

Ademário e Nei Serra – Na solenidade de reabertura, acontecida no dia 1.º de dezembro, o prefeito Ademário Oliveira (PSDB) dez um histórico da composição da parceria entre a Prefeitura e a Usiminas, lembrando que os entendimentos começaram já no ínicio do atual governo. “Mesmo nos sujeitando à impopularidade, abrimos mão de outras iniciativa, mesmo as voltadas para a conservação urbana e nos concentramos em um projeto destinado a salvar vidas”, disse.

No início da primeira fase do projeto de reabertura do Hospital Municipal Modelo de Cubatão foram investidos R$ 6 milhões, dos R$ 9 milhões previstos no total. A segunda fase, prevista para ser concluída em 2018, envolverá a reforma do antigo prédio do teatro, que será integrado ao complexo hospitalar e abrigará serviços de alta complexidade, como hemodiálise, quimioterapia e medicina hiperbárica.

Ademário Oliveira não esconde a sua satisfação, nesses primeiros dias de atividades do Hospital e sempre faz questão de agradecer pela paciência da população desde o início de sua gestão em janeiro, bem como a colaboração dos servidores municipais e o apoio da Câmara Municipal que, segundo afirma, agiu com a rapidez que a situação exigia.

Ainda repercute a atitude do prefeito Ademário que chamou ao palco do evento de reabertura, o ex-prefeito e seu colega tucano, Nei Eduardo Serra, em cuja gestão o hospital foi idealizado e construído. “Se este hospital existe é porque alguém o idealizou 20 anos atrás”, afirmou.

Emocionado e bastante aplaudido, Nei disse que a construção do hospital foi uma luta e uma vitória do povo de Cubatão. E elogiou a iniciativa do atual governo em reabri-lo.

Vereador quer auditoria nas contas da Saúde

Funcionários do hospital pedem a vereadores, encontro com prefeita.

Funcionários do hospital pedem a vereadores, encontro com prefeita.

No mesmo dia da sessão ordinária, em que os vereadores aprovaram a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do município de Cubatão para o exercício de 2017, com duas emendas, na terça-feira (5), a crise da saúde local com a greve dos funcionários do Hospital Modelo sacudiu a classe política. Os funcionários acompanhados de representantes do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Santos e Região (Sintrasaúde) aproveitaram essa oportunidade e se reuniram com os vereadores para discutir a greve que já dura mais de vinte dias.

A sessão, exclusiva para a votação do projeto da LDO, que o aprovou em primeira e segunda discussões, tinha tudo para ser tranquila, mas precisou compartilhar entre todos os presentes a insatisfação com o governo da prefeita Marcia Rosa (PT) na gestão do hospital. E o tom da conversa se elevou quando os funcionários apelavam por uma ajuda externa a Cubatão, principalmente por parte do Governo do Estado.

Foi nesse momento que o vereador Ademário da Silva Oliveira (PSDB), um dos políticos mais próximos do governador Geraldo Alckmin, se manifestou sobre a visão geral a respeito da administração petista de Cubatão: “Quando se apela pelo socorro do governador do Estado, ninguém consegue achar uma resposta que possa justificar o fato de Cubatão ter o orçamento que temos e ainda entrar em colapso na saúde. Essa pergunta é feita sempre para nós, que valorizamos o planejamento e aqui não temos”, ressaltou Ademário.

O vereador também relembrou que no primeiro semestre Cubatão recebeu R$ 12 milhões dos governos federal e estadual, baseando isso na informação de que o atendimento à saúde local é pleno, “que pode fazer tudo e que na real pode nada”, contrapondo ao novo vereador Fábio Inácio (PT), que tentou justificar o papel do hospital que não atende somente a Cubatão hoje em dia e que precisava repensar seus custos.

Auditoria – O vereador Ademário defende, a exemplo do Ministério Público do Estado (MPE), que instaurou inquérito civil contra a Prefeitura de Cubatão para investigar se o Governo Municipal vem aplicando corretamente os recursos financeiros do Município, do Estado e da União no Hospital Municipal.

O vereador insiste que é preciso realizar com urgência uma auditoria nas contas da Prefeitura, pela Secretaria de Estado da Saúde e pelo Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DenaSUS): “Parece um saco sem fundo, os dinheiros vêm da União e do Estado, mas não chegam no destino que deveriam chegar”, enfatiza o parlamentar tucano.

Prefeitura – o secretário municipal da Saúde, Benjamin Lopez, que na semana passada – quarta-feira (29) – participou de audiência pública na Câmara Municipal e voltou a dizer que o hospital custa mensalmente R$ 4,4 milhões e atende pelo Sistema Único de Saúde (SUS) não somente os moradores da cidade, mas de toda Região Metropolitana da Baixada Santista, foi bastante criticado pelo vereador Severino Tarcício, o Doda (PSB): “Ora, de nada adianta marcar audiências com ele, porque ninguém acredita nele. Cabe a prefeita se explicar, dizer logo se há ou não uma solução, se pode ou não resolver”, sentenciou.

CONDESB – Durante audiência pública do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana (CONDESB) realizada na sede da Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem), em Santos, com o objetivo de discutir a proposta orçamentária estadual para 2017, esta virou um fórum para que moradores de Cubatão pedissem mais investimentos estaduais na Cidade.

A paralisação do funcionamento do Hospital Municipal de Cubatão foi o primeiro assunto colocado na pauta. “O governador deu R$ 11 milhões para um hospital que não está nem aberto, o Hospital dos Estivadores, e está deixando o Hospital de Cubatão morrer”, criticou Rosa Maria Cassimiro, dona de casa cubatense.

Governo Alckmin – Na próxima quarta-feira (13 de julho), às 16 horas, está prevista uma reunião na Casa Civil do Governo de São Paulo para tratar dos problemas na área da saúde de Cubatão. O encontro deve reunir a prefeita Marcia Rosa, vereadores, deputados e o representante do Estado.

Categorias se unem e realizam grande protesto contra governo petista em Cubatão

Frente da Prefeitura ocupada por várias categorias de trabalhadores públicos. Foto: Luiz Fernando Valentim.

Frente da Prefeitura ocupada por várias categorias de trabalhadores públicos. Foto: Luiz Fernando Valentim.

A tarde da última quarta-feira, dia 15 de junho, em Cubatão, ficou marcada como “A Tarde da Revolta”, devido ao não cumprimento das promessas de pagamentos de salários e benefícios por parte da Administração Municipal junto a grupos de servidores, terceirizados e até contratos de repasses financeiros (como o caso da Ecopag, que administra o dinheiro destinado aos servidores, por via do Cartão Servidor).

Dentre esses podem ser citados os professores municipais, vigilantes da empresa de segurança Marvin e até comerciantes locais, que se mobilizaram e realizaram uma grande passeata, iniciada na frente da Prefeitura de Cubatão.

Centenas de pessoas munidas com camisetas de protesto, faixas, cartazes, apitos e até narizes de palhaços pediam pela renúncia da prefeita Marcia Rosa (PT). Logo em seguida, o grupo, munido de carro de som e microfones seguiu em direção à Avenida Nove de Abril, com destino a Avenida Henry Borden, realizando discursos inflamados com palavras de ordem de revolta e cânticos contra a gestão municipal. Nesse local os manifestantes se uniram aos trabalhadores do Hospital Modelo, que também estão em estado de greve, realizando talvez, a maior manifestação contra um governo local em toda a história de Cubatão.

Queda de receita seria o motivo? – Já há tempos, a Prefeitura fala em queda de arrecadação como a principal causa da atual crise administrativa e financeira pela qual vive a Cidade. O fechamento de algumas empresas no Pólo Industrial, como a Usiminas, aliado à diminuição nos postos de trabalho e a situação de instabilidade vivida pelo País, nos últimos anos, seria o principal motivo do impacto nas finanças de Cubatão.

Entenda como se iniciaram as respectivas greves e manifestos em Cubatão:

Professores – Um dos últimos grupos a aderir ao estado de greve em Cubatão, foi o dos professores da rede municipal de ensino, que decidiram pela paralisação da categoria, na tarde da última segunda-feira (13), após reunião da categoria. A classe reivindica direitos como a recomposição inflacionária da categoria entre janeiro e maio deste ano, a incorporação do cartão servidor no salário, plano de saúde e previdência com repasse para o setor patronal e trabalhadores.

Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Professores Municipais de Cubatão, Paulo Sebastião Rodriguez, o estado de greve da categoria é justo. “Na tarde desta quarta estaremos reunidos em nosso Sindicato, para sabermos quais medidas iremos tomar. Queremos ouvir a Administração para saber o que ela tem a nos oferecer. Caso não tenhamos resposta, a Greve pode continuar; sim”, diz Sebastião.

Hospital – Já os trabalhadores do Hospital Municipal, gerido pela organização social Associação Hospitalar Beneficente do Brasil (AHBB) estão com vencimentos atrasados. Salários, férias, valores retroativos referentes ao dissídio da categoria e o não pagamento de benefícios, como vale alimentação, causaram a revolta de profissionais do setor hospitalar, copeiros e faxineiros. Além disso, os trabalhadores reclamam que a qualidade da comida servida no Hospital caiu muito, e escutam boatos de que o Hospital pode realmente fechar as portas.

Marvin continua em greve – Os trabalhadores da empresa de segurança Marvin, também continuam esperando o acerto de salários e benefícios por parte da Prefeitura, para retornarem a atuar nos próprios públicos municipais. Informações de que uma reunião realizada na tarde de quarta-feira (15), iria definir se o pagamento desses atrasados seria quitado até à 18 horas da mesma data. No entanto, até o fechamento desta edição, a equipe de reportagem do jornal “Povo de Cubatão”, não obteve resposta.

Comerciantes esperam definições sobre o Cartão Servidor – Uma comissão formada por comerciantes locais adentrou o Paço Piaçaguera, com o objetivo de se reunirem com membros da Administração Municipal, para saber como estaria o repasse do dinheiro do Cartão Servidor (benefício da categoria pública municipal destinado a ser consumido no comércio local). A empresa Ecopag, que administra o benefício diz não ter recebido o valor total por parte da Prefeitura e, só se compromete a liberar o cartão do funcionalismo junto ao comércio, quando toda a dívida for sanada junto à Empresa.

Ademário relata preocupações com saúde ao Governador Geraldo Alckmin

Hospital vive a maior crise de sua história. Foto: Raimundo Rosa.

Hospital vive a maior crise de sua história. Foto: Raimundo Rosa.

O governador Geraldo Alckmin esteve na última quarta-feira (15), em Praia Grande, onde recebeu do vereador Ademário da Silva Oliveira (PSDB) um relato sobre a situação difícil enfrentada pelo Hospital Modelo de Cubatão. O assunto saúde pública regional dominou boa parte da visita do governador a vários dos municípios da Baixada Santista, mas destacou que está em fase de efetivação um novo convênio de auxílio financeiro do Programa Santas Casas Sustentáveis para o Hospital Municipal de Cubatão.

Em seguida, o vereador Ademário obteve da diretora regional de Saúde, Paula Covas Borges Calipo, o detalhamento de como será realizado o apoio do Governo do Estado a Cubatão. Paula Covas explicou que “o auxílio será em 7 parcelas mensais no valor de R$ 247.468,08, totalizando R$ 1.732.276,56 para custeio – material de consumo e prestação de serviços médicos e, investimento, cujo objetivo é aprimorar a gestão hospitalar visando a melhoria na qualidade do atendimento”.

A dirigente regional confirmou também que Estado e Prefeitura devem se reunir no próximo dia 20 (segunda-feira), para tratar especificamente do Hospital Modelo, contando inclusive com a presença e participação do Secretário de Estado da Saúde, David Uip, atendendo a pedido da promotora de Justiça Larissa Motta Nunes.

“Vamos conversar sobre a situação. Temos um momento emergencial do hospital, mas precisamos definir um plano para que essas dificuldades não se repitam. A responsabilidade pelo hospital municipal é da Prefeitura e o Estado já fornece recursos específicos para ajudar na manutenção, por entender que o equipamento é importante no contexto da Saúde regional”, destacou Paula.

O Programa Santas Casas Sustentáveis representa um complemento à tabela do SUS, e é de 40% acima do teto pago pelo Sistema Único de Saúde.

AHBB – A Associação Hospitalar Beneficente do Brasil que gerencia o hospital com recursos repassados pelo município, entre sexta e segunda-feira desta semana, recebeu R$ 2 milhões, que foram utilizados para pagar fornecedores e alguns médicos da maternidade: “Não sobrou dinheiro suficiente para uma folha de pagamento completo e não houve pagamento nenhum aos empregados”, disse Paulo Pimentel, presidente do Sintrasaúde, que lidera greve de quase 90% do quadro estimado em cerca de 450 trabalhadores.